Orçamento do Estado UTAO diz que pode haver "uma suborçamentação" das despesas com pessoal

UTAO diz que pode haver "uma suborçamentação" das despesas com pessoal

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirmou hoje que o orçamento para 2017 prevê uma redução das despesas com pessoal em alguns programas orçamentais, alertando que pode haver "uma suborçamentação", o que é "um risco de execução".
UTAO diz que pode haver "uma suborçamentação" das despesas com pessoal
Miguel Baltazar
Lusa 02 de Novembro de 2016 às 12:36

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirmou hoje que o orçamento para 2017 prevê uma redução das despesas com pessoal em alguns programas orçamentais, alertando que pode haver "uma suborçamentação", o que é "um risco de execução".

 

Na versão final da análise à proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), a UTAO refere que "as despesas com o pessoal apresentam um montante de dotação orçamental para 2017 superior ao estimado para 2016", mas adverte que, "em alguns programas orçamentais, encontra-se prevista uma redução, podendo estar implícita uma suborçamentação".

 

De acordo com a UTAO, esta é uma situação que poderá "vir a constituir um risco de execução".

 

Os técnicos independentes que apoiam o parlamento indicam que, para 2016, a estimativa das despesas com pessoal nas administrações públicas foi revista em alta (+142 milhões de euros) face ao objectivo implícito no OE2016 e que referem que "os principais reforços de dotação orçamental" foram direccionados para os programas orçamentais do Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar (+469 milhões), da Segurança Interna (+84 milhões) e da Saúde (+71 milhões).

 

Relativamente à proposta para o OE2017, "verifica-se um aumento de 1,4% face à estimativa para 2016, sendo o principal contributo da administração central", notam os técnicos da UTAO, acrescentando que "o montante orçamentado para 2017 é inferior ao registado no ano 2015 e na estimativa de execução para 2016 em dois dos maiores programas orçamentais", nomeadamente o do Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar e o da Segurança Interna.

 

Assim, a UTAO entende que, "para estes dois programas orçamentais que foram objecto de revisão em alta no âmbito da estimativa para 2016, a dotação orçamental para 2017 poderá não ser suficiente, podendo a despesa vir a ficar acima do orçamentado na proposta de lei do OE/2017".

 

Na análise, a UTAO analisa também a evolução da despesa da administração central entre os diferentes programas e, comparando a estimativa de execução para 2016 e o objectivo para 2017, conclui que há uma "descida da despesa efectiva" no Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar e "um aumento previsto" na Ciência, na Agricultura e na Saúde.

 

Fazendo esta comparação, a UTAO refere que há "uma descida da despesa efectiva consolidada para alguns programas orçamentais, destacando-se pela sua magnitude o P011 - Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar com uma descida de 4% (-247 milhões)".

 

Em sentido contrário, os economistas da UTAO referem que houve "um aumento previsto mais significativo devido ao seu peso no total da administração central nos programas orçamentais P010-Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (6% ou 135 milhões de euros), P017-Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (13,5% ou 120 milhões de euros) e P013-Saúde (1% ou 100 milhões de euros)".

 

Os técnicos analisam também a previsão da despesa inscrita no OE2016 com a projecção de execução da despesa este ano, que consta das tabelas entregues pelo gabinete de Mário Centeno ao parlamento na sexta-feira, e concluem que se verificou "um reforço da dotação para o P011-Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar (+436 milhões, maioritariamente em despesas com pessoal) e para o P013-Saúde (+246 milhões), sendo que se observou uma compensação através de uma revisão em baixa noutros programas orçamentais".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 8 horas


Os ladrões de esquerda

RACIOCÍNIO do PS, BE, PCP e seus apoiantes

O ensino privado é um escândalo ...

Mas a saúde privada, exclusivamente para FP e seus pensionistas... é uma necessidade imperiosa.

Certo?

Cambada de ladrões!

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 horas

Se os brancos nao fazem milagres,como podia um encarvoado fazelo.Verdadeiros Islamitas: destroiem tudo por onde passam.O mais terrivel aqui e que os janotinhas caiem sempre no conto do HORACIO.Enfim,o ditado diz:entre mortos e feridos alguem ha-de escapar,esperemos que assim seja.

Anónimo Há 6 horas

As horas reduzem para 35, as contratações aumentam, mas a despesa reduz.....é um raciocínio mais que lógico....

Anónimo Há 7 horas


Aqui está o COSTA LADRÃO em ação!

Um governo de ladrões

O FIM DA AUSTERIDADE

O PS comemora o Fim da austeridade, ... com brutais aumentos de impostos!

Anónimo Há 8 horas


Os ladrões de esquerda

RACIOCÍNIO do PS, BE, PCP e seus apoiantes

O ensino privado é um escândalo ...

Mas a saúde privada, exclusivamente para FP e seus pensionistas... é uma necessidade imperiosa.

Certo?

Cambada de ladrões!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub