Finanças Públicas UTAO estima défice de 2,8% até Setembro, acima da meta anual

UTAO estima défice de 2,8% até Setembro, acima da meta anual

A unidade técnica de apoio orçamental a trabalhar no Parlamento aponta para um défice nos primeiros nove meses do ano acima da meta de 2,4%. Objectivo enfrenta "desafios".
UTAO estima défice de 2,8% até Setembro, acima da meta anual
Rui Peres Jorge 05 de dezembro de 2016 às 13:06

O défice orçamental até Setembro terá ficado em 2,8% do PIB, estima a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) a trabalhar no Parlamento, um valor acima da meta assumida pelo Governo no Orçamento do Estado apresentado em Outubro de 2,4% do PIB. Há factores a ajudar e a dificultar um objectivo que a UTAO diz enfrentar desafios.

"No período de Janeiro a Setembro, de acordo com o valor central da estimativa realizada pela UTAO, o défice em contabilidade nacional deverá ter-se situado em torno de 2,8% do PIB, o que a confirmar-se esta estimativa traduz uma melhoria face ao período homólogo [3,4% do PIB]", lê-se na análise à execução orçamental de Outubro, na qual os técnicos parlamentares sublinham também que "o défice deverá ter permanecido acima quer do objectivo anual revisto no âmbito do OE/2017 [2,4% do PIB], quer do limite máximo para o défice recomendado pela Comissão Europeia [2,5% do PIB]". Os 2,8% são o ponto médio de um intervalo definido entre 2,5% do PIB e 3,1% do PIB.

"Para alcançar a meta oficial para o défice, será necessário que no 4.º trimestre se registe um défice orçamental inferior ao dos trimestres anteriores", tendo de baixar para apenas 1,5% do PIB, já considerando medidas extraordinárias, estima a UTAO que identifica "pressões orçamentais que podem colocar desafios ao cumprimento daquela meta".

Pela negativa, "nos últimos dois meses de 2016 a execução de algumas despesas poderá acelerar, nomeadamente despesas com pessoal e transferências correntes e de capital, estas últimas também dependentes do recebimento de fundos comunitários", escrevem, contrapondo que, pela positiva, "a cobrança de impostos dos últimos dois meses também deverá contar com o resultado do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado e do plano de reavaliação de ativos fixos tangíveis empresariais".

Até Outubro, os crescimentos tanto das receitas como das despesas estão aquém dos objectivos para 2017: "A execução da receita encontra-se aquém da prevista, mesmo considerando a recente estimativa para 2016 divulgada no âmbito do OE/2017, sobretudo das outras receitas correntes e da receita de capital, mas também da receita fiscal. Em compensação, a despesa também evidencia um grau de execução abaixo do previsto, designadamente ao nível dos subsídios, transferências e investimento".




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tu consegues KOSTA 05.12.2016

aperta kosta que ainda consegues! não pagues as contas das farmacias nem renoves os equipamentos ferroviarios, deixa de apanhar pokemons e não cagues postas de pescada

Ou VC 05.12.2016

Reconhece muito bem mas este partiu de 4,2%. Cpts

VC 05.12.2016

Reconheço que este governo está a ter alguns resultados interessantes, sobretudo a nivel de emprego, mas não podemos comparar o ponto de partida do anterior governo (défice 10%, recessão, etc...) com o deste (défice 3%, crescimento, desemprego a cair...).

Anónimo 05.12.2016

Percebem agora o processo de perdao de divida? E a CGD que afinal é 2017? O Costa está com as calças na mao!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub