Comércio Vendas no retalho com menor crescimento desde Fevereiro

Vendas no retalho com menor crescimento desde Fevereiro

A "desaceleração significativa" no segmento de produtos não alimentares conduziu a tendência de abrandamento do crescimento das vendas a retalho no mês passado, revelou o INE.
Vendas no retalho com menor crescimento desde Fevereiro
Paulo Duarte
Paulo Zacarias Gomes 30 de novembro de 2017 às 11:12
As transacções no sector do retalho em Portugal abrandaram em Outubro, crescendo 1,8% em termos homólogos, abrandando em relação aos 4,4% registados no mês anterior, naquele que foi o crescimento mais lento desde Fevereiro passado.

Os números revelados esta quinta-feira, 30 de Novembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) atribuem este menor ritmo de crescimento à "desaceleração significativa" no segmento de produtos não alimentares, que passaram de uma subida de 6,2% em Setembro para uma variação homóloga de 1,5% em Outubro.

O mês de Outubro coincide com a manutenção de temperaturas elevadas que, segundo reconheceram vários comerciantes, teve um impacto negativo nas vendas de produtos como o vestuário, "pois os clientes não sentem necessidade de procurar artigo de Inverno". 

Na comparação em cadeia - Outubro face a Setembro - a queda na actividade foi de -2,3%, a maior pelo menos no espaço de um ano e que compara com uma subida de 1,2% entre Agosto e Setembro.

A desaceleração foi também visível em termos nominais, com o índice agregado a subir 2,7% em Outubro, quase metade do ritmo verificado um mês antes (quando a subida tinha sido de 5,3%). 

Já o índice de emprego no sector avançou em termos homólogos a um ritmo superior ao verificado no mês anterior (subiu 3,8% em Outubro face aos 3,4% de Setembro), ao passo que o índice que mede as remunerações no sector abrandou para um crescimento de 2,9% em relação aos 5,3% do mês anterior.

As horas trabalhadas cresceram sensivelmente em termos homólogos na mesma magnitude nos dois meses (1,5% contra 1,4% em Setembro).

(Notícia actualizada às 11:27 com mais informação)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar