Américas Venezuela avançará com medidas perante bloqueio dos EUA

Venezuela avançará com medidas perante bloqueio dos EUA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje que o seu Governo preparou várias medidas para defender o país de um eventual bloqueio comercial, petrolífero e financeiro dos Estados Unidos da América (EUA).
Venezuela avançará com medidas perante bloqueio dos EUA
Reuters
Lusa 22 de agosto de 2017 às 23:40
"Tenho preparado um conjunto de decisões e medidas para defender [o país] do bloqueio comercial, petrolífero e financeiro que decretará Donald Trump contra a Venezuela. Estamos preparados", disse.

O anúncio foi feito num encontro de mais de três horas com a imprensa internacional, que decorreu no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante o qual o governante disse contar com "o apoio decidido" de todo o povo venezuelano "e dos governos e povos do mundo, porque ninguém afogará nem cercará a Venezuela".

"As medidas que preparam os EUA são para castigar a Venezuela, mas eu vou defender o país das ameaças", frisou.

Segundo Nicolás Maduro, uma sondagem dá conta de que 86% da população está contra uma invasão militar norte-americana, enquanto a oposição "saiu a santificar essa ameaça e a solicitar o bloqueio económico e financeiro contra a Venezuela".

"Afortunadamente, agora temos a Assembleia Constituinte. Já não temos, nacionalmente, nenhum tipo de impedimento legal como nos impunha o velho parlamento burguês [...], de sabotagem permanente, de travagens, de bloqueios económicos", disse.

De acordo com o Presidente, a Assembleia Constituinte (AC) "vai acompanhar e ter um papel chave nos anúncios e acções" desenvolvidas proximamente, e com a sua constituição não há impedimentos à preservação da paz no país perante ataques internacionais: "Foi a jogada perfeita".

"A Constituinte deve começar o processo de recuperação económica e combater a inflação induzida", disse, recordando que a este órgão tem "plenos poderes" e que os funcionários 'chavistas' que se se desvincularam do regime devem ser tratados "com contundência legal".

"E para isso estão [em funções] os 'constituintes' [membros da AC]", sublinhou.

Maduro assegurou que em 2018 a Venezuela terá eleições presidenciais e que, uma vez que a AC termine de redigir a nova Constituição, submeterá a proposta a um "referendo consultivo".

"No próximo ano, por esta data, estaremos em campanha presidencial. Vamos ganhar as eleições, porque não vamos oferecer o poder político à oligarquia", disse.

Nicolás Maduro anunciou que na próxima semana haverá uma reunião preparatória de uma cimeira mundial de solidariedade para com a Venezuela e que prevê encontrar-se proximamente com o seu homólogo russo, Vladimir Putin.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 5640533 22.08.2017

Toda a bente nos EUA está a tremer de medo.

comentários mais recentes
Anónimo 23.08.2017

Ninguem dá um tiro nos cornos deste FDP fascista?

Anónimo 23.08.2017

Pensei que era da feijoada, mas não. É mesmo de medo que os americanos se estão a cagar. Num país onde falta tudo, sobra pesporrencia. Como pode este assassino, que tem o povo a morrer à fome e sem medicamentos, dizer que está a trabalhar para a felicidade do seu povo e ainda haver quem acredite?

Camponio da beira 23.08.2017

Este maduro nunca mais cai de podre'?

Skizy 23.08.2017

a salvacao da venezuela comeca quando este retroga for com o galheiro. Ate la declinio a cada dia.

ver mais comentários