Mundo Venezuela diz que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia

Venezuela diz que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia

A Venezuela afirmou que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia, depois de Portugal ter negado as acusações do presidente Nicolás Maduro sobre a falta deste alimento tradicional de Natal que prometeu distribuir ao povo.
Venezuela diz que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia
Lusa 29 de dezembro de 2017 às 07:40

"Informo à Venezuela que as 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia", disse na quinta-feira o ministro venezuelano da Agricultura Urbana, Freddy Bernal, numa mensagem publicada na sua conta do 'Twitter', destacando que "a sabotagem é dos Estados Unidos "ao congelar as contas dos que vendem comida ao país".

De acordo com Bernal, "o governo colombiano mantém há sete dias os pernis retidos na fronteira de Paraguachón", entre La Guajira e o estado venezuelano de Zulia.

O ministro venezuelano que também é responsável pelo sistema de distribuição de alimentos, os denominados Comités Locais de Abastecimento e Produção, disse numa outra mensagem que "60% do pernil que até agora foi distribuído foi graças à compra feita aos produtores nacionais".

Para o governante, "a percentagem programada foi sabotada" pelos Estados Unidos e pelos "seus aliados comerciais no mundo".

Na quinta-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco, depois de Caracas ter feito um plano de importação e acertado os pagamentos.

Este problema levou os venezuelanos para as ruas em protesto contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro pelo incumprimento da promessa de distribuir pernil de porco na época do Natal, reclamando que também não terão aquele e outros produtos no fim de ano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português rejeitou a acusação de sabotagem à venda de carne de porco à Venezuela, frisando que Portugal é uma economia de mercado em que o Governo não interfere nas relações entre empresas.

Entretanto, a empresa agroalimentar Raporal informou que a Venezuela deve cerca de 40 milhões de euros às empresas portuguesas fornecedoras de pernil de porco àquele país, dos quais 6,9 milhões lhe são devidos.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 29.12.2017

Resultado do sistema funcionariocratico sindical em vigor na República Bolivariana.

JCG 29.12.2017

No meio desta comédia burlesca, pergunto-me: porque raio os venezuelanos não produzem porcos? Os porcos não se dão no clima lá existente? Bom, porcos é bicho que parece que se dá em todo o lado. Mistério: no que é que se ocupa essa gente? Era viver à sombra do petróleo?

Anónimo 29.12.2017

Está tudo dito ... lindo comentador de MÉRIDA não larga o esgoto !

Anónimo 29.12.2017

HÁ POR AQUI CADA COMENTÁRIO!Com I.D. do computador era que o M.P. dessa uma coça nestes ordinários a comentar com palavras ofensivas e ordinárias .Será restos de AZIA de PASSOS COELHONE ? Tudo leva a crer que sim ...mas não dá direito a serem malcriados Ministerio Público havia de intervir

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub