Américas Venezuela: Maduro promete levar constituição a referendo

Venezuela: Maduro promete levar constituição a referendo

Maduro afirmou que a decisão do tribunal sobre a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte foi "clara, inequívoca, taxativa" ao afirmar que o acto "é constitucional e legal".
Venezuela: Maduro promete levar constituição a referendo
Reuters
Lusa 02 de junho de 2017 às 07:11
O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou na quinta-feira que após ser redigida a nova Constituição do país, vai propor "de forma expressa" que esta seja submetida a um referendo antes de ser aprovada.

"No final do processo, certamente que vou propor de maneira aberta, expressa e taxativa, a nova Constituição passará por um referendo consultivo para que seja o povo a dizer se está de acordo com a nova Constituição reforçada, ou se não está de acordo", afirmou Maduro durante um conselho de ministros.

O Presidente fez esta declaração horas depois de a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, pedir um esclarecimento à Sala Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça por ter dado 'carta-branca' a Maduro para convocar uma Assembleia Constituinte sem convocar previamente um referendo.

Maduro afirmou que a decisão do tribunal sobre a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte foi "clara, inequívoca, taxativa" ao afirmar que o acto "é constitucional e legal".

O Presidente pediu aos venezuelanos que apoiem a inscrição dos candidatos e disse que, uma vez concluído este período de validação das assinaturas e documentação legal, será fixada uma data para a eleição da assembleia e iniciada uma campanha eleitoral "exemplar".

Maduro disse que apresentou nove prioridades para serem debatidas pela Constituinte: "A primeira de todas é a paz, em segundo lugar o novo modelo económico pós-petrolífero, produtivo, e em terceiro lugar a constitucionalização de todas as missões sociais".

Em quarto lugar fica o tema da segurança, para "acabar com a impunidade" e transformar "o ordenamento jurídico e institucional", enquanto em quinto lugar fica a "garantia da soberania e integridade territorial".

Maduro convocou, a 01 de maio, uma assembleia constituinte, como forma de sair da crise que o país atravessa. Há dois meses que manifestações convocadas pela oposição ocupam as ruas, causando já a morte de 62 pessoas.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.06.2017

Ate' creio que a venezuela e' uma democracia; se e' mal governada , e' porque a maioria e' estupida , e assim quer

pub