Américas Venezuela prolonga por mais 60 dias estado de exceção e emergência económica

Venezuela prolonga por mais 60 dias estado de exceção e emergência económica

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aprovou hoje um decreto que prolonga por mais 60 dias o estado de excepção e emergência económica que vigora no país, desde Janeiro de 2016.
Venezuela prolonga por mais 60 dias estado de exceção e emergência económica
Reuters
Lusa 13 de Novembro de 2016 às 23:57
"Decreto, na Gazeta Oficial [equivalente ao Diário da República] a prorrogação, por 60 dias, o decreto constitucional do estado de Emergência Económica e Excepção, para continuar a governar e a enfrentar a situação económica e a apoiar o nosso povo", disse o Presidente venezuelano.

Nicolás Maduro falava durante o programa radiofónico e televisivo "Em Contacto com Maduro", transmitido pela televisão estatal venezuelana, durante o qual sublinhou que o decreto permite ao Governo continuar a aplicar estratégias para proteger o povo da forte situação que afecta o país, devido a "uma guerra económica", como afirmou.

"Para continuar a atender e a apoiar os Comités Locais de Abastecimento e Produção e as empresas públicas e privadas, para continuar impulsionando o investimento e para que ninguém nos possa deter", prolongou o estado de excepção, frisou.

Maduro sustentou ainda a importância de ter "esse poder constitucional activado", com o processo de aprovação do Orçamento do Estado: Como "teria sido possível aprovar tantos recursos para as 'missões' [programas sociais do Governo], os créditos e tantas coisas para o povo", questionou, perante "uma assembleia nacional em desacato" (que não acatou decisões do Supremo), se o Executivo "não tivesse Orçamento do Estado?" (através de uma sentença do Supremo Tribunal de Justiça, que permitiu aprovar o Orçamento do Estado perante a máxima instância judicial).

Na comunicação televisiva, Maduro disse ainda que "vai muito bem" o diálogo entre o Governo e a oposição, que tem lugar desde 30 de Outubro, sob a mediação do Vaticano e da União de Nações da América do Sul.

"O diálogo não tem alternativa (...) Quem não dialoga tem medo (...) Há gente que tem medo, porque não tem moral, no projecto, nas ideias. O diálogo é o caminho, e nós seguimos o caminho do diálogo com todos (...) Aqui deve haver seriedade, não pode haver imaturidade nas mesas de diálogo [negociação]", disse.

"Pequenas minorias, cheias de ódio, pretendem continuar a incubar planos conspirativos", disse Maduro, acrescentando que as negociações que decorreram até agora provam "que a oposição vai colaborar contra o boicote económico, a sabotagem e a guerra", concluiu.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub