Economia Vídeo: "Com o FMI em Portugal é uma oportunidade única para mudar os maus hábitos"

Vídeo: "Com o FMI em Portugal é uma oportunidade única para mudar os maus hábitos"

O presidente do conselho de administração da Jerónimo Martins afirmou hoje que "há um conjunto de pessoas neste País que não tem feito outra coisa que não dar cabo disto".
Vídeo: "Com o FMI em Portugal é uma oportunidade única para mudar os maus hábitos"
Rita Faria 04 de maio de 2011 às 19:40
“Com o FMI em Portugal é uma oportunidade única para mudar os maus hábitos. O voto vai ser muito importante e é preciso que os políticos pensem em Portugal. Se soubermos votar, pode ajudar muito a uma limpeza, não tenho a mínima dúvida que povo português vai saber fazê-lo porque estão todos muito desagradados”, sublinhou hoje Soares dos Santos durante o Ciclo de conferências “Histórias de vida…”.

Depois de afirmar “há um conjunto de pessoas neste País que não tem feito outra coisa que não dar cabo disto”, foi questionado por uma forma de inverter a situação. O presidente da Jerónimo Martins foi peremptório: “através das eleições”.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ocart 05.05.2011

Um conjunto de desempregados deu cabo deste País!!!!!!!!

danny1williams 05.05.2011


A esquerda e a maçonaria é criminosa, mas ...

e o opus dei?...

e as fraudes financeiras - logo 3, impunes? Dessas você não fala sequer...

Assim, com estes patriotas todos, mais vale nacionalizar tudo e fechar o país.

Vamos pagar emprestimos externos também (mas não só) por aquilo que alguns senhores fizeram na Banca. Amigos do Cavaco, e outros do opus dei? ... é uma degradação total na pocilga lusa.

É que a gente nem se enxerga cada um nas suas figuras. Ajude você a caritas, que bem pode, e são da sua seita...

Sem seitas é que não se faz nada...

Sr.Tuga 05.05.2011

O executivo da Câmara de Matosinhos aprovou, em reunião privada a seguir à pública mensal, a compra, por cerca de 6,3 milhões de euros, dos estádios do Leça e do Leixões, dois clubes de futebol profissional do concelho que atravessam dificuldades financeiras.
O estádio do Mar será pago ao Leixões e custará à câmara 4.980.000 euros
A aquisição foi aprovada com os votos favoráveis dos eleitos socialistas e do vereador do Desporto, Guilherme Aguiar, eleito pela coligação PSD/CDS, mas com quem o presidente da autarquia, Guilherme Pinto, estabeleceu uma aliança no início deste mandato.

Os vereadores da Associação Narciso Miranda Matosinhos Sempre votaram contra e hoje voltam a explicar, em conferência de imprensa, por que não concordam com esta opção. Também o PSD de Matosinhos – que retirou a confiança política a Guilherme Aguiar -, sempre combateu a aquisição dos dois estádios e iniciou mesmo a recolha de assinaturas para a realização de um referendo local sobre o assunto. Iniciativa que já não terá efeito prático, uma vez que a compra deverá ser aprovada de novo, amanhã, na Assembleia Municipal de Matosinhos, onde o PS é também maioritário.

A Câmara de Matosinhos irá comprar o estádio do Leça por 1.380.000 euros, à Parvalorem, uma empresa comparticipada pelo BPN, a quem este clube pedira um empréstimo de quase dois milhões de euros. A autarquia propõe-se pagar o equipamento em 60 prestações mensais (cinco anos) até ao montante máximo de 27.500 euros cada.

Já o estádio do Mar será pago ao Leixões e custará à câmara 4.980.000 euros. No momento da outorga da escritura pública, o clube recebe 750 mil euros mais 30 mil euros das acções que o município possui na SAD leixonense (estrutura que, deste modo, a autarquia abandona). Seguem-se depois 120 prestações (10 anos) de 35 mil euros.

No intervalo entre as duas reuniões, pública e privada, o presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, justificou, aos jornalistas, a compra dos dois recintos desportivos: “Se os estádios se perdessem, nós tínhamos que encontrar espaço para materializar equipamentos idênticos como fizemos com as outras freguesias. Essas operações seriam mais caras do que as que estamos a fazer.” O autarca admitiu inclusive que está a equacionar a compra de um pavilhão de outra colectividade desportiva do concelho, tendo optado por não revelar de qual se trata, para já, para não prejudicar as negociações.

Questionado sobre quando é que se concretizará a compra dos estádios do Leça e do Leixões, Guilherme Pinto respondeu: “No momento seguinte em que esteja garantida o pagamento das dívidas ao Estado e que ambos estejam livres de encargos e ónus.”

Na mesma reunião privada do executivo foram ainda aprovadas as contas municipais de 2010, de novo com o voto contra dos eleitos da Associação Narciso Miranda Matosinhos Sempre. O documento comprova que o passivo da autarquia aumentou 9,7 milhões de euros face a 2009 – principalmente devido à dívida de curto prazo -, totalizando no final do ano passado 184,3 milhões de euros.

briomp 04.05.2011

Pois. Mas a Jerónimo Martins tem dado bons lucros... E ainda bem. Mas eu como trabalhador por conta de outrem tenho muita dificuldade em alinhar com as soluções ditas boas para a meia dúzia dos grande patrões portugueses. Se são boas para eles... fico de pé atrás... Hummm...

ver mais comentários
pub