Empresas Viana do Castelo dá luz verde a prospecção de lítio por empresa australiana

Viana do Castelo dá luz verde a prospecção de lítio por empresa australiana

O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou que o município deu parecer favorável ao pedido de prospecção de lítio na zona norte do concelho após a manifestação de interesse por parte de uma empresa australiana.
Viana do Castelo dá luz verde a prospecção de lítio por empresa australiana
Bloomberg
Lusa 07 de dezembro de 2016 às 23:58

"A Câmara foi auscultada pela Direcção Geral de Energia e Geologia sobre a intenção de prospecção. Demos o nosso parecer favorável sobre as questões que se prendem com o Plano Director Municipal e da acessibilidade ou não a alguns locais onde se pretendem fazer as prospecções", disse esta quarta-feira o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa.

 

O autarca garantiu que foram "acautelados todos os requisitos, não só no que diz respeito ao PDM como de todas as condicionantes ambientais". "Agora a decisão caberá ao Ministério da Economia. Vai depender das concessões que o Estado português entenda fazer", especificou.

 

José Maria Costa adiantou que este interesse na prospecção de lítio "em grande parte" do concelho "motivou" a Câmara da capital do Alto Minho a concorrer ao novo investimento da Tesla, marca norte-americana de baterias e veículos elétricos.

 

A disponibilidade manifestada ao Governo em Novembro passado surgiu no seguimento do interesse da Tesla em construir uma nova fábrica na Península Ibérica. "Apresentámos não só vantagens competitivas, desde o bom acolhimento empresarial à proximidade de portos e aeroportos, garantindo uma rápida entrada de matérias-primas, mas também porque temos a matéria-prima necessária para a fabricação das pilhas de lítio que são essenciais para essa actividade", reforçou.

 

No início de Dezembro, o Governo anunciou a criação de um grupo de trabalho para identificar os depósitos de lítio em Portugal e também "avaliar a possibilidade de produção" deste metal, sendo as conclusões dos trabalhos apresentadas até ao final de Março de 2017.

 

Em comunicado, a Secretaria de Estado da Energia informou que foi aprovado pelo secretário de Estado da tutela, Jorge Seguro Sanches, um despacho para a criação de um grupo de trabalho cujo objectivo é "identificar e caracterizar as ocorrências do depósito mineral de lítio em Portugal" e as atividades económicas associadas, bem como "avaliar a possibilidade de produção de lítio metal".

 

Este organismo - cujas conclusões "deverão ser apresentadas, até 31 de Março de 2017" - vai ser coordenado pela subdiretora geral da Direcção-Geral de Energia e Geologia, Cristina Vieira Lourenço, e vai contar com representantes do Laboratório Nacional de Energia e Geologia, da EDM - Empresa de Desenvolvimento Mineiro, da Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora e da Associação Portuguesa dos Industriais de Mármores e Granitos.

 

Citado na nota, o secretário de Estado da Energia referiu que "o potencial dos recursos geológicos nacionais, como factor de desenvolvimento económico e com uma importância estratégica crescente, determina a adopção de medidas de valorização e promoção dos bens naturais existentes em Portugal".

 

A tutela adianta também que os minerais de lítio extraídos em Portugal "destinam-se em exclusivo à indústria cerâmica, limitando-se a sua utilização a meros fundentes, conduzindo a poupanças significativas na factura energética das empresas".


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.12.2016

A preocupação mor será a economia-SOBREVIVENCIA PRIMÁRIA mas FACILITAÇAO DAs ACESSIBILIDADES TB SAO IMPRESCINDIVEIS.ENTRE MTaS TEMOS o transito sob a ponte do comboio q é uma baralhada, a inexistência de uma rotunda em frente á feira da meadela q reduziria a veloc ,acidentes e redução da poluição.

Anónimo 11.12.2016

Para o snr anónimo as touradas já foram tarde.As touradas podem continuar a realizar-se se essa for a vontade dos promotores,a camara n pode contrariar uma lei geral do País.pode é dificultar a sua licenciação ,caso contrário teria poderes para dissolver a associação de touradas que existe legalizad

Anónimo 09.12.2016

As touradas já foram tarde

Anónimo 09.12.2016

O fundamentalismo anti atividades de desenvolvimento e diversão condicionaram esta cidade , foram contra a industrialização, roubava braços á agricultura, o caciquismo produziu xenofobia e nepotismo,perderam estaleiros,feiras ,touradas e agora querem matar natureza c crateras q tudo envenena e mata

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub