Segurança Social Vieira da Silva: Aumento de férias "não está no programa do Governo"

Vieira da Silva: Aumento de férias "não está no programa do Governo"

PCP e BE vão propor o aumento de dias de férias no Parlamento, mas o ministro do Trabalho lembra que os acordos com estes partidos não contemplam essa medida.
Vieira da Silva: Aumento de férias "não está no programa do Governo"
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 28 de dezembro de 2016 às 09:51

A reposição ou o aumento do número de dias de férias "não está no programa do Governo", disse o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, em resposta a uma pergunta sobre as iniciativas de PCP e BE, que vão levar as suas propostas a votação em Janeiro, no Parlamento.

 

O ministro do Trabalho, que respondia a perguntas na conferência organizada pelo jornal digital Eco, voltou a referir que a melhor sede para alterar o número mínimo de dias previstos na lei é a negociação colectiva.

 

"A área laboral é sempre uma zona de alta pressão", disse, lembrando contudo que esta medida não consta dos acordos assinados com o PCP e o Bloco.

O jornal i noticiou esta quarta-feira que o PS vai chumbar tanto a proposta para repor os 25 dias de férias como a que consagra o Carnaval como feriado para todos.

Desconto na TSU avança

 

O ministro referiu ainda que não espera que a apreciação do decreto sobre o desconto da TSU, pedida pelos mesmos partidos, ponha em causa o apoio dado às empresas por causa do salário mínimo, que vai voltar a subir 5% para 557 euros brutos.

 

"Não creio que haja condições para que haja uma alteração", disse.

Vieira da Silva desvalorizou ainda os efeitos políticos da oposição dos partidos que suportam o Governo às condições do acordo de concertação social.

"A medida não belisca o apoio dos partidos à esquerda?", questionou uma jornalista.

"Não creio porque o Governo não fez nenhuma redução da taxa social única e forma definitiva e estrutural. Esta é uma medida transitória, é uma medida temporária, que já aconteceu noutras alturas no passado e acontece para outro tipo de situações".

Actualmente aplica-se um desconto de 0,75 pontos, mas no próximo ano o desconto vai subir para 1,25 pontos.

Com o duplo alargamento alargamento – no valor e no perfil de empresas abrangidas – o Governo prescinde de metade da receita contributiva que conseguiria com o mero aumento de salários: em vez de 80 milhões a Segurança Social encaixa 40 milhões.

Notícia actualizada pela última vez às 14:50 com mais informação




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Montrond Há 3 semanas

“Mais férias? "Não está no programa do governo"… É mais do que justo que as pessoas tenham direito a um período de férias, o mais longo possível, a fim de poderem retemperar as forças e “recarregar” a bateria, resultante do esforço despendido durante um ano de trabalho, muitas vezes realizado em condições muito difíceis e cansativas. Mas há que ser realista, atendendo aos condicionalismos económico-financeiros do país, e aos compromissos internacionais a que estamos vinculados. Se o PCP e o BE começarem a reivindicar “este mundo e o outro”, sem atender às nossas circunstâncias limitadas, pode ser que o atual modelo governativo, que a muito custo se conseguiu negociar, e que tem dado conta do recado com um considerável sucesso, vá por água abaixo e abra portas ao regresso de um governo tipo Pàf ou algo do género. A questão que coloco é a seguinte: O que será melhor? Termos um governo declaradamente defensor de uma vida o mais digna possível, para os portugueses ou um governo Pàf?

comentários mais recentes
Montrond Há 3 semanas

“Mais férias? "Não está no programa do governo"… É mais do que justo que as pessoas tenham direito a um período de férias, o mais longo possível, a fim de poderem retemperar as forças e “recarregar” a bateria, resultante do esforço despendido durante um ano de trabalho, muitas vezes realizado em condições muito difíceis e cansativas. Mas há que ser realista, atendendo aos condicionalismos económico-financeiros do país, e aos compromissos internacionais a que estamos vinculados. Se o PCP e o BE começarem a reivindicar “este mundo e o outro”, sem atender às nossas circunstâncias limitadas, pode ser que o atual modelo governativo, que a muito custo se conseguiu negociar, e que tem dado conta do recado com um considerável sucesso, vá por água abaixo e abra portas ao regresso de um governo tipo Pàf ou algo do género. A questão que coloco é a seguinte: O que será melhor? Termos um governo declaradamente defensor de uma vida o mais digna possível, para os portugueses ou um governo Pàf?

Anónimo Há 3 semanas

Às 8 da manhã estou a votar contra o PORCÃO Indiano. É certinho e direitinho!!!

Força PS Há 3 semanas

Às 8 da manhã estou a votar Costa.

pertinaz Há 3 semanas

BESTIAL.....

COM TANTAS FÉRIAS QUANDO É QUE TIRAMOS ALGUM TEMPO PARA DESCANSAR ???

QUE ANEDOTAS .....

ver mais comentários
pub