Segurança Social Vieira da Silva defende que está a baixar número de cidadãos em inactividade forçada

Vieira da Silva defende que está a baixar número de cidadãos em inactividade forçada

O ministro Vieira da Silva afirmou esta terça-feira que foram criados no terceiro trimestre deste ano 86.200 empregos líquidos, a maioria deles contratos sem termo, traduzindo uma recuperação sustentada e uma diminuição de pessoas em inactividade forçada.
Vieira da Silva defende que está a baixar número de cidadãos em inactividade forçada
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de Novembro de 2016 às 17:50

Esta posição foi assumida pelo ministro do Trabalho e da Segurança Social nas Jornadas Parlamentares do PS, na Guarda, num discurso em que defendeu a tese de que "já não é possível desvalorizar um crescimento homólogo de perto de 90 mil pontos de trabalho, ou seja, de emprego líquido".

 

"São 86.200 empregos criados pela primeira vez em vários anos de uma forma sustentada, porque cresce mais do que diminui o desemprego. Isto tem uma tradução: Estamos a retirar pessoas da inactividade forçada", advogou o membro do executivo.

 

Também segundo Vieira da Silva, os dados do terceiro trimestre deste ano mostram uma criação de emprego, na sua maioria contratos sem termo, "indo ao encontro da política económica do Governo, que tem como objectivo também a existência de melhor emprego".

 

"Algumas vozes dizem que é o turismo, esquecendo-se que estamos a comparar com o período homólogo do ano anterior. Mas muito deste emprego é criado nos serviços e na indústria (tanto na mais tradicional como na mais inovadora) e esmagadoramente por via do setor privado", defendeu ainda o membro do Governo.

 

Vieira da Silva observou ainda que o turismo faz parte da economia e que "o emprego mais sustentado traduz-se numa diminuição mais sustentável da taxa de desemprego".

 

"Apesar de nos aproximarmos de forma sustentada da taxa média de desemprego da União Europeia, não estamos satisfeitos", acrescentou.  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub