Segurança Social Vieira da Silva: Reforma quer aproximar rendimentos e descontos dos independentes à realidade

Vieira da Silva: Reforma quer aproximar rendimentos e descontos dos independentes à realidade

O ministro Vieira da Silva considera que a reforma do regime contributivo dos trabalhadores independentes vai permitir que as contribuições sociais estejam mais ligadas ao rendimento real auferido, tanto em valor como no tempo. A protecção social será alargada.
Vieira da Silva: Reforma quer aproximar rendimentos e descontos dos independentes à realidade
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 13 de dezembro de 2017 às 12:31

O Governo e Bloco de Esquerda chegaram a acordo sobre a alteração das regras de descontos dos recibos verdes para a Segurança Social. 

 
O ministro do Trabalho e Segurança Social, José Vieira da Silva, salientou, em declarações aos jornalistas e que foram trasmitidas pelas estações de televisão, a complexidade deste processo. "A protecção dos trabalhadores independentes é sempre um processo difícil porque foge a todos os padrões, mas tem vindo a ser trabalhado e estará presente no Conselho de Ministros as peças legislativas que permitirão renovar o modelo de protecção dos trabalhadores independentes. É um problema estrutural."

 

"Os aspectos mais importantes que estão incluídos nessa mudança têm a ver com o aproximar os vencimentos que [os trabalhadores] têm e sobre os quais fazem descontos no tempo em que recebem e que têm de pagar as contribuições", afirmou, salientando que se passará a trabalhar numa "base trimestral."

 

Quanto à alteração das taxas "foi avaliado o grau efectivo de cobertura. Foi feita uma nova grelha de taxas e uma nova participação das entidades contratantes que permite tornar mais sustentável" o sistema. Foi também "alargada a protecção social, no desemprego e doença, que eram áreas frágeis" no que respeita aos trabalhadores independentes.

 

A taxa contributiva baixará dos actuais 29,6% para os 21,4% (e de 34,75% para os 25,17% para os empresários em nome individual) e passará a incidir sobre 70% da média dos rendimentos do último trimestre, abandonando-se o complexo sistema de escalões. 

 

Ao nível da protecção social, os subsídios de desemprego e doença serão facilitados, embora mantenham regras diferentes das aplicáveis aos trabalhadores por conta própria. 

Para compensar, sobe-se a taxa das empresas que fazem utilização intensiva de recibos verdes e acaba-se com a isenção de alguns trabalhadores que acumulam salário com recibos verdes. 

 

Questionado sobre o impacto nas contas públicas, o ministro desvaloriza a questão. "A nossa avaliação global é que as mudanças não terão, no curto prazo, um impacto significativo. Vai depender do comportamento" das entidades e dos trabalhadores. Mas "não é o impacto financeiro que é o mais importante". O sistema vigente "empurrava os trabalhadores independentes para uma situação precária", salientou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Será que esta raposa velha e matreira tem consciência? Infelizmente estas doenças não são Raríssimas. A esposa relacionada com estas irregularidades, e ele não sabe nada.

O PS nauseabundo anda sempre tranquilo! Há 3 dias

Ora, temos então o vesgo e seboso Vieira da Silva de consciência tranquila!
PS está sempre de consciência tranquila mesmo quando afunda o País! Vejam o Sócrates, fala pelos cotovelos, no entender dele a culpa é sempre dos outros, ele é um santo! E levou o país à falência em seu proveito! Olarila!

Dai um safanão no vesgo! Há 3 dias

Costa espetou uma facada traiçoeira no Tozé Seguro, foi para líder do PS, perdeu-o as eleições. Como era já um cadáver politico fez a fuga para a frente e arranjou a geringonça! E agora vemos os mesmos paspalhos do tempo do Sócrates! Vieira da Silva devia ir mostrar a sua vesguice para outro lado!!

Z27 Há 3 dias

Ó senhor ministro, o pessoal quer é saber se o senhor sabia das gambas e dos vestidos luxuosos que a vedeta da Raríssimas exibia...
O senhor ministro era/é o responsável máximo pela gestão do dinheiro que "EU" lá punha, por seu intermédio...
Respeite as crianças e DEMITA-SE!

ver mais comentários
pub