Lei Laboral Vieira da Silva: "Vertigem da mudança legislativa pode ser má conselheira" na contratação colectiva

Vieira da Silva: "Vertigem da mudança legislativa pode ser má conselheira" na contratação colectiva

O ministro do Trabalho prefere "concentrar esforços" no diálogo entre os parceiros sociais para estimular a negociação colectiva. Uma posição mais próxima dos patrões com quem negoceia acordo sobre o salário mínimo.
Vieira da Silva: "Vertigem da mudança legislativa pode ser má conselheira" na contratação colectiva
Miguel Baltazar/Negócios
António Larguesa 12 de Dezembro de 2016 às 10:42

O Governo acredita que os desequilíbrios no quadro das relações laborais "não serão superados sem uma forte retoma da negociação colectiva", mas defende que "não pode ser imposta por decreto" e "tem de ser fruto da vontade dos parceiros a todos os níveis e da sua compreensão das vantagens mútuas da regulação negociada".

 

Num artigo de opinião publicado esta segunda-feira, 12 de Dezembro, no Negócios, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social reconhece a relevância das leis para "balizar" a negociação colectiva, colocando, porém, a tónica na "estabilidade" do quadro normativo e na criação de um "ambiente propício" para que os parceiros sociais cheguem a um entendimento.

 

"A predisposição dos parceiros é essencial. Há hoje condições novas para que possa ser feito um debate sério sobre estas matérias, em circunstâncias económicas, sociais e políticas, incluindo em torno da regulação do mercado de trabalho, muito distintas e mais favoráveis. (…) É na concertação que este debate está a ser feito. E é nele que devemos concentrar esforços antes de partir, de imediato, para (novas) alterações legislativas", aponta Vieira da Silva.

É que, sustenta o governante, "a vertigem da mudança legislativa pode ser má conselheira" quando em causa está um processo que também depende do comportamento das partes envolvidas. "É entendimento do Governo que a melhor maneira de acautelar o futuro da contratação colectiva passa necessariamente por dar voz e oportunidade aos parceiros. E encontrar, junto deles, elementos que ajudem a fortalecer a negociação onde ela se fortalece de facto – nas mesas de negociação e no interesse que todas as partes têm de ter para que nelas se sentem de modo construtivo e com benefícios mútuos", acrescenta.

 

Este artigo de opinião, com o título "A lei da negociação - em defesa da contratação colectiva", surge apenas três dias depois do mesmo ministro do Trabalho ter rejeitado o convite da esquerda para alterar a lei e revogar a caducidade dos contratos colectivos. Um tema que é considerado prioritário pela CGTP, pelo PCP, pelo Bloco de Esquerda e até pelo primeiro-ministro, António Costa.

 

Como o Negócios escreveu a 9 de Dezembro, ao afastar a revogação da caducidade das convenções colectivas, Vieira da Silva afasta o que a CGTP tem definido como a sua condição prévia para um acordo global de concertação social. Neste tema, o Governo aproxima-se das confederações patronais, com quem negoceia um entendimento sobre o salário mínimo.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!

comentários mais recentes
pertinaz Há 5 dias

ATÉ ESTA NÓDOA JÁ PERCEBEU A ASNEIRA EM QUE SE VÃO METER

pertinaz Há 5 dias

ATÉ ESTA NÓDOA JÁ PERCEBEU A ASNEIRA EM QUE SE VÃO METER

JJJCCC Há 5 dias

"a vertigem da mudança legislativa pode ser má conselheira" quando em causa está um processo que também depende do comportamento das partes envolvida". Saúdo o governante pelo realismo de entender q, no limite, os patrões não podem ser obrigados a contratar.

fpublico condenado a 48 anos trabalho c/ 43 serviç Há 5 dias

anónimo, VAI TRABALHAR
ANDAS SEMPRE AQUI A FAZER COMENTARIOS DE M..ERDA
TODOS DEVEM SER OBRIGADOS A TRABALHAR 48 ANOS. EU NÃO SOU GRUNHO, PRETO E NÃO QUERO SER ESCRAVO DOS CIGANOS
BURACO É DA SSOCIAL QUE PAGA SUBSIDIOS A XULOS QUE PASSAM DIA A BRINCAR
QUERO LEI DE APOSENTAÇÃO DO TEMPO DO SALAZAR

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub