Segurança Social Vieira da Silva admite "correcção" das pensões com aumentos acima do que prevê a lei

Vieira da Silva admite "correcção" das pensões com aumentos acima do que prevê a lei

O ministro da Segurança Social admite a necessidade de compensar a perda do poder de compra, garantindo aumentos além da inflação.
Vieira da Silva admite "correcção" das pensões com aumentos acima do que prevê a lei
Miguel Baltazar
Catarina Almeida Pereira 12 de Outubro de 2016 às 20:53

Vieira da Silva admite ir além da fórmula de actualização das pensões que consta da lei que elaborou em 2006, garantindo aumentos acima da inflação que compensem a perda de poder de compra dos pensionistas nos últimos anos.

 

Na véspera da aprovação em Conselho de Ministros da proposta do Orçamento do Estado para 2017, o ministro que tutela a Segurança Social evitou respostas detalhadas, mas não deixou de sinalizar a disponibilidade para ir além do que prevê a lei, que só garantiria uma actualização ao nível da inflação registada este ano para pensões de até 628 euros.

 

"Serão actualizadas as pensões segundo a fórmula de cálculo e poderá haver na elaboração final do orçamento - porque creio que há condições para isso - uma correcção relativamente à forte quebra de rendimentos reais" verificados nos últimos anos, disse o ministro.

 

"Nos últimos anos os pensionistas tiveram cortes muito significativos nos seus rendimentos. Um primeiro passo, a meu ver essencial para a recuperação desses rendimentos, foi voltar a descongelar as pensões, e voltar a aplicar o mecanismo de actualização das pensões", tal como aconteceu em 2016, afirmou.

 

Mas o Governo "sempre admitiu que excepcionalmente poderiam existir movimentos de compensação que precisamente levassem em linha de conta o facto de um número significativo de pensionistas e de pensões terem visto os seus rendimentos congelados ou até terem vistos esses rendimentos regredir ao longo dos últimos anos", acrescentou, à margem de uma conferência sobre fontes de financiamento da Segurança Social.

 

Evitando falar em valores ou em escalões, o ministro não esclareceu se se vai aproximar da proposta do PCP, que quer um aumento de dez euros para todos, ou da do Bloco de Esquerda, que propõe um aumento de 10 euros até aos 838 euros e uma subida ao nível da inflação daí em diante. Também não esclareceu se todos os aumentos terão efeito a partir de Janeiro.

 

"Haverá actualização de pensões e poderá existir uma correcção relativamente à degradação de rendimentos", reiterou, confirmando uma ideia que já no fim-de-semana tinha sido assumida pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Patrões

2. Nobreza = FP e seus pensionistas

3. Povo = Trabalhadores do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas



FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

"Os trabalhadores que lutam, não o fazem por privilégios mas sim por direitos", diz a FP.


COMO SÃO PAGOS OS “DIREITOS” DA FP?

Através dos aumentos de impostos... que representam um corte no salário dos trabalhadores do privado (que não têm esses direitos)!

CONCLUSÃO: Os “direitos” de uns, são pagos com o SACRIFÍCIO dos outros!

Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

UM EXEMPLO DE INJUSTIÇA QUE É URGENTE CORRIGIR

Um técnico superior reformado em 2005 pela Caixa Geral de Aposentações (CGA) levou uma pensão de 2.026 euros consigo. Se se tivesse aposentado na mesma altura, com o mesmo salário, pelas regras da Segurança Social, teria levado para casa 1.512 euros.

Ora bem 500€ x 10 anos x 12 meses = 60.000€ a mais, que esse gajo já embolsou desde 2005, à custa de quem trabalha.
Rica mama.
Deve ser obrigado a devolver tudo.

Enganei-me nas contas, são 14 meses por ano, ainda lhe estava a perdoar 10.000€ (sortudo).
Afinal tem que devolver 70.000€.

Receber 70.000€ a mais, em 10 anos?
Isso dá para comprar um carro de 30.000€, de 4 em 4 anos.
Este é mesmo o país das maravilhas... para alguns.

Anónimo Há 3 semanas


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Patrões

2. Nobreza = FP e seus pensionistas

3. Povo = Trabalhadores do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

pub
pub
pub
pub