Vitor Bento: "Não há alternativa à austeridade"
13 Fevereiro 2012, 21:05 por Ana Laranjeiro | alaranjeiro@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
0
O economista defende que Portugal só vai conseguir "melhorar o nível de vida através do aumento da produtividade", mas tal requer tempo. Por isso, sublinha que "no curto prazo, a única forma que temos de reganhar competitividade é através dos custos". Veja aqui o vídeo.
Vítor Bento sublinhou que “não há alternativa à austeridade”, pois em Portugal, “desde 1995 temos vindo a aumentar o ‘gap’ entre a despesa interna e o rendimento que temos, o que significa que essa diferença só se consegue manter desde que haja quem financie, com dinheiro externo, essa diferença”.

O também conselheiro de Estado, presente na conferência intitulada “Como crescer em austeridade?”, organizado pela Plataforma “Crescimento Sustentável”, reiterou que Portugal só obtêm financiamento através da troika e “não temos capacidade de sustentar a economia baseada apenas no consumo interno”.

Vitor Bento considera ainda que “de facto a produtividade é a chave disto tudo. Nós só conseguimos melhorar o nível de vida através do aumento da produtividade”. “O aumento da produtividade tem de ser o foco central de qualquer política económica a médio-longo prazo” frisou.

Porém, o economista apontou que “a produtividade leva tempo a produzir efeito”, ou seja, “qualquer acção que se possa encetar leva o seu tempo a produzir efeitos, o que significa que no curto prazo a única forma que temos de reganhar competitividade é através dos custos”.

“Só através da redução dos custos, no momento mais imediato, é que se consegue reganhar competitividade, embora essa não seja a solução que satisfaça nem que possa ser aceitável como duradoura”, acrescentou.


Enviar por email
Reportar erro
0