Mundo Washington não acredita em ameaça iminente vinda da Coreia do Norte

Washington não acredita em ameaça iminente vinda da Coreia do Norte

Apesar da troca de palavras entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, o secretário de Estado americano garante que "os americanos podem dormir descansados" porque não existe qualquer ameaça iminente representada por Pyongyang.
Washington não acredita em ameaça iminente vinda da Coreia do Norte
Reuters
David Santiago 09 de agosto de 2017 às 14:42

"Considero que os americanos podem dormir descansados", afirmou o secretário de Estado norte-americano antes ainda de aterrar na ilha americana de Guam, no Pacífico. Rex Tillerson, que chega ainda esta quarta-feira, 9 de Agosto, à ilha ameaçada de ataque pela Coreia do Norte, garantiu, citado pela Reuters, assim não existirem motivações de preocupação relativamente "à retórica [norte-coreana] dos últimos dias".

 

Já sobre a ameaça velada feita hoje pelo presidente americano, em que Donald Trump avisou Pyongyang de que mais ameaças "terão como resposta fogo e fúria como o mundo nunca viu", Tillerson tentou relativizar estas afirmações. Notou que Trump pretendeu somente fazer passar uma mensagem de força que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, "possa perceber, já que não parece perceber a linguagem diplomática".

 


"Acho que o presidente quis apenas reafirmar que os Estados Unidos têm a capacidade para defender-se plenamente de quaisquer ataques", explicou o chefe da diplomacia americana.

 

No entanto, pouco depois da tentativa de colocar água na fervura feita por Rex Tillerson, Donald Trump recorreu à rede social Twitter para lembrar que a primeira ordem executiva que deu enquanto presidente dos Estados Unidos foi no sentido de "renovar e modernizar o nosso arsenal nuclear" que "é agora muito mais forte e poderoso do que alguma vez foi".

 

"Com sorte nunca teremos de usar este poder, mas nunca chegará o momento em que não sejamos a mais poderosa nação do mundo", prosseguiu Trump num tom marcadamente ameaçador para o regime comunista liderado com punho de ferro por Kim Jong-un.

 


A ameaça inicial de Trump surgiu depois de ontem ter sido noticiado, pelo Washington Post, que afinal a capacidade nuclear de Pyongyang é superior àquilo que se pensava. De acordo com um relatório dos serviços de informações norte-americanos citado por aquela publicação, o regime norte-coreano terá desenvolvido com êxito a capacidade para inserir ogivas nucleares miniaturizadas em mísseis de longo alcance.

 

As afirmações de Trump levaram o regime comunista a reagir através dos media estatais avisando para a possível iminência de um ataque sobre a ilha americana de Guam, que será visitada ainda hoje por Rex Tillerson.

 

A já longa tensão entre Washington e Pyongyang agudizou-se depois de, no passado sábado, os 15 países actualmente com assento no Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas terem aprovado, por unanimidade, a imposição de uma vaga de sanções sobre a Coreia do Norte que podem significar uma diminuição de cerca de um terço das suas exportações, o que debilitará ainda mais o já internacionalmente isolado país.

 

A China (principal aliado norte-coreano) e também a Rússia – membros com assento permanente no CS - votaram a favor das penalizações financeiras impostas a Pyongyang, satisfazendo, pelo menos em parte, uma das principais reivindicações feitas por Donald Trump.

 

Desde que chegou à Casa Branca, Trump identificou à partida a Coreia do Norte como a principal fonte de ameaça para a segurança internacional, pelo que o líder americano tem vindo a insistir junto de Pequim na importância de a China agir para isolar e demover a Coreia do Norte das suas ambições nucleares. Pequim pediu entretanto que se evitem palavras e acções que façam escalar a situação e tentem resolver a situação pela via do diálogo.

 

Desde que no final de 2011 sucedeu ao seu pai como ditador do daquele regime, Kim Jong-un tem reforçado e acelerado o desenvolvimento do programa nuclear do país, que parece estar à beira de conseguir atingir alvos extracontinentais com mísseis balísticos carregado com ogivas nucleares.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
o SANTANDER tem 30 mil milhões FRESQUINHOS 09.08.2017


O SANTANDER está pronto PARA ENGOLIR o NOSSO QUERIDO BCP FICA tudo nos ESPANHOIS mas que se LIXE nós os pequenos ACIONISTAS vamos ficar a NADAR em $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

SEGUE - SE a OPA ao MILENIUM BCP 09.08.2017



O SANTANDER quer os 51 % que o MILENUM BCP DETEM NO MILENIUM POLACO por isso já comprou a rede de agências que eram do DETUSH BANK na polónia a OPA ao BCP é o próximo PASSO a 0.75 por AÇÃO

Do Piçalho 09.08.2017

Quando for preciso dar ao gatilho lembrem-se que Portugal tem gente muito preparada daquém e dalém mar em África (da dos outros na nossa não quiseram defender).Também temos muitos generais e outros mais e mais e mais .....só não temos armas no paiol ...pois no paiol é um descanso!

Anónimo 09.08.2017

É só fumaça... são 2 loucos a brincar às guerras, mas quando chegar a hora, metem os 2 o rabinho entre pernas...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub