Américas Washington Post: Clinton e democratas financiaram investigação sobre Trump e Rússia

Washington Post: Clinton e democratas financiaram investigação sobre Trump e Rússia

O Partido Democrata norte-americano e a campanha de Hillary Clinton financiaram a investigação, divulgada após as eleições presidenciais, sobre possíveis ligações entre Donald Trump e o Kremlin, noticiou o jornal The Washington Post.
Washington Post: Clinton e democratas financiaram investigação sobre Trump e Rússia
Reuters
Lusa 25 de outubro de 2017 às 10:45

O jornal, que citou fontes anónimas próximas do dossier, publicou que o Partido Democrata e a campanha de Clinton contrataram, através do advogado Marc E. Elias, os serviços da empresa Fusion GPS de Washington para a dita investigação.

A Fusion GPS, por seu lado, subcontratou o ex-espião da agência de informações britânica MI6 Christopher Steele, sócio da empresa de serviços secretos Orbis Business Intelligence, que realizou o relatório, não confirmado, em questão.

Os democratas contrataram a Fusion GPS em Abril de 2016, apesar de a investigação sobre Trump e a Rússia ter começado meses antes, financiada por um republicano cuja identidade é desconhecida e que se retirou quando o magnata ganhou as eleições primárias.

A campanha de Clinton e o Partido Democrata financiaram a investigação da Fusion GPS pelo menos até Outubro do ano passado, dias antes das eleições, que Trump venceu.

O escritório dos advogados da Perkins Coie, para o qual Elias trabalha, recebeu 5,6 milhões de dólares (cerca de 4,7 milhões de euros) da campanha de Clinton e 3,6 milhões de dólares (3,6 milhões de euros) do Partido Democrata, de acordo com o The Washington Post, apesar de se desconhecer o montante real que se destinou à investigação.

O dossier elaborado por Steele foi divulgado em Janeiro, pouco antes de Trump prestar juramento como novo Presidente e constitui uma peça central das investigações do Congresso sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

O conteúdo do dossier de Steele conclui que a Rússia estava envolvida num esforço prolongado para ajudar Trump a ganhar as eleições e tinha recolhido informações comprometedoras sobre o então candidato, apesar de incluir imprecisões e histórias de fontes anónimas que não foi possível confirmar.

Donald Trump qualificou o documento de "fake news" (notícias falsas), considerando tratar-se de desinformação.

No sábado, Trump escreveu no Twitter que o departamento de Justiça e o FBI "deveriam divulgar imediatamente quem pagou pela" realização do dossier, depois de dar a entender que poderia ter sido o partido democrata, sem excluir a própria Rússia ou o FBI.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar