África Zimbabué: Antigo vice-presidente Mnangagwa regressa hoje ao país

Zimbabué: Antigo vice-presidente Mnangagwa regressa hoje ao país

O ex-vice-presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, destituído há duas semanas e apontado como sucessor de Robert Mugabe, que deixou o poder na terça-feira ao fim de 37 anos, deve regressar hoje ao país, revelou o seu assistente pessoal.
Zimbabué: Antigo vice-presidente Mnangagwa regressa hoje ao país
Reuters
Lusa 22 de novembro de 2017 às 09:18

"O camarada Mnangagwa volta hoje", disse Larry Mavhima em declarações à agência de notícias AFP. "Ele vai chegar à base militar de Manyame [na capital, Harare] às 13:00 [11:00 em Lisboa]. Ele dirigir-se-á, de seguida, para o quartel-general do partido para um balanço, depois ao gabinete da presidência para outro ponto de situação", detalhou o mesmo responsável.

 

Após a demissão na terça-feira de Robert Mugabe, um porta-voz do partido no poder no Zimbabué, o Zanu-PF, adiantou que Emmerson Mnangagwa (na foto) deve ser nomeado ainda hoje Presidente interino do país por um período de 90 dias.

 

O anúncio da demissão de Robert Mugabe da presidência do Zimbabué foi recebido com vivas e aplausos na assembleia nacional do país, mas também nas ruas da capital, Harare.

 

A actual crise política no Zimbabué começou quando os militares tomaram o controlo do país na noite do passado dia 14, depois de, na semana anterior, Mugabe, de 93 anos, ter destituído o seu vice-presidente e aliado de longa data, Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, que tinha estreitas ligações com os militares.

 

Mugabe, até agora o mais velho chefe de Estado do mundo, enfrentava um processo de destituição baseado em várias acusações, entre as quais a de que teria "permitido à sua mulher usurpar o poder constitucional" ou a de que estaria demasiado velho para governar.

 

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar