Zona Euro Zona Euro autoriza Irlanda a pagar última parte do empréstimo ao FMI

Zona Euro autoriza Irlanda a pagar última parte do empréstimo ao FMI

O Fundo Europeu de Estabilização Financeira autorizou Dublin a reembolsar antecipadamente a última tranche do empréstimo contraído junto do FMI no âmbito do programa de resgate pedido em Novembro de 2010.
Zona Euro autoriza Irlanda a pagar última parte do empréstimo ao FMI
REUTERS

O Fundo Europeu de Estabilidade Financeira deu luz verde a Dublin a pagar antecipadamente a última tranche do empréstimo obtido junto do Fundo Monetário Internacional (FMI) na sequência do programa de assistência económica e financeira, pedido em Novembro de 2010.

 

A Irlanda, de acordo com o Financial Times, já pagou ao Fundo 18 mil milhões de euros e vai agora reembolsar o FMI dos restantes 4,5 mil milhões de euros que ainda não tinha pago. E vai ainda pagar mil milhões de euros de um empréstimo bilateral contraído junto da Suécia e da Dinamarca.

 

Os empréstimos do Fundo têm, como lembra o FT, geralmente, juros mais altos do que os concedidos pela Zona Euro. O que faz com que os países intervencionados tentem reembolsar antecipadamente o FMI, o que ajuda a diminuir os seus custos da dívida. "Estes reembolsos antecipados vão baixar os custos do serviço de dívida da Irlanda, melhorando as perspectivas de sustentabilidade da sua dívida e, por conseguinte, enviar um sinal positivo para os mercados", disse Klaus Regling, líder do Mecanismo Europeu de Estabilidade, citado pelo jornal britânico.

 

Portugal, que também foi alvo de um plano de ajustamento, mas na Primavera de 2011, também já pagou antecipadamente tranches do empréstimo ao Fundo Monetário Internacional.

 

Ainda no passado dia 17 de Novembro, o ministério das Finanças português comunicou que tinha reembolsado a instituição liderada por Christine Lagarde em 2.780 milhões de euros. Em comunicado era ainda revelado que, com este pagamento, ficou liquidado 76% do empréstimo do FMI realizado em 2011. Do bolo de 78 mil milhões de euros concedidos no âmbito do programa de resgate, 26,3 mil milhões foram emprestados pelo FMI.

 

O ministério liderado por Mário Centeno adiantou que no total deste ano, foram feitos pagamentos antecipados ao FMI de 9.012 milhões de euros, "o valor máximo amortizado, em termos anuais, até à presente data".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub