Conjuntura Zona Euro com o primeiro défice comercial em três anos

Zona Euro com o primeiro défice comercial em três anos

Os países da Zona Euro registaram em Janeiro deste ano, o primeiro défice da balança comercial de bens desde o arranque de 2014. Portugal teve o quinto maior crescimento das exportações na Europa.
Zona Euro com o primeiro défice comercial em três anos
Pedro Elias
Nuno Aguiar 17 de março de 2017 às 11:03

Desde Janeiro de 2014 que os países da moeda única não compravam mais mercadorias do que aquelas que vendem a territórios fora da Zona Euro. No primeiro mês deste ano, foi registado um défice comercial de 600 milhões de euros, mostram os dados publicados esta manhã, 17 de Março, pelo Eurostat.

 

Neste caso, não se tratou de uma travagem das exportações, que até cresceram 13% face ao mesmo mês de 2016, mas sim uma aceleração significativa das importações, que aumentaram 17%. O resultado foi um excedente da balança comercial de bens de 4,8 mil milhões de euros ter-se transformado num défice de 0,6 mil milhões.

 

De referir, no entanto, que Janeiro tende a ser um mês mais negativo para o saldo comercial de bens da Zona Euro. Mesmo quando não houve défices, os excedentes foram inferiores.

 

No que diz à União Europeia, também se volta a observar um défice, também devido a um ritmo de crescimento das importações superior às exportações (18% vs. 16%). Ainda assim, uma posição deficitária dos 28 países da UE tem sido mais comum do que entre os Estados da moeda única.

 

Olhando país a país, as exportações portuguesas tiveram um dos melhores comportamentos da Europa em Janeiro, com um crescimento homólogo de 20%. Foram apenas superadas pela Finlândia, Croácia, Grécia e, aquele que mais cresceu, Chipre (47%). No mesmo mês, as importações portuguesas avançaram 22%. O défice comercial engordou de 700 para 900 milhões de euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub