Zona Euro Zona Euro desembolsa mais 2,8 mil milhões de ajuda à Grécia

Zona Euro desembolsa mais 2,8 mil milhões de ajuda à Grécia

Ao contrário do anunciado, o MEE aprovou esta terça-feira o desembolso integral de 2,8 mil milhões de euros para a Grécia. A implementação das reformas estruturais e o compromisso com pagamento de dívidas em atraso foram elogiados por Regling.
Zona Euro desembolsa mais 2,8 mil milhões de ajuda à Grécia
Bloomberg
David Santiago 25 de Outubro de 2016 às 14:46
O Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) "autorizou o desembolso de 2,8 mil milhões de euros para a Grécia", pode ler-se no comunicado emitido esta terça-feira, 25 de Outubro, pela instituição liderada por Klaus Regling. O MEE destaca esta decisão inesperada com os "progressos firmes" alcançados pelas autoridades helénicas na "reforma do seu país". 

Na nota é ainda destacada "a implementação de medidas-chave" e os avanços conseguidos com novas privatizações e a operacionalização de um fundo de investimento. O director Klaus Regling explicou ainda que se a Governo grego continuar a prosseguir as medidas acordadas no Verão de 2015, que constam do programa de assistência financeira à Grécia, "o crescimento da economia grega irá acelerar no próximo ano e o Governo talvez possa começar a emitir títulos de dívida" já em 2017.

 
Mostrando-se esperançado na continuação de uma "boa cooperação com as autoridades gregas", Regling disse estar satisfeito com o facto de o Executivo liderado por Alexis Tsipras ter cumprido o compromisso de "liquidar dívidas em atraso, o que terá um impacto positivo na economia do país". Era precisamente o elevado montante de dívidas do Estado a fornecedores que continuava a bloquear este desembolso.
 
Esta decisão do MEE é inesperada na medida em que se previa um desembolso faseado da parcela ainda bloqueada da segunda tranche do memorando de entendimento helénico. Depois de só em Maio último ter sido aprovada a primeira avaliação ao cumprimento do memorando – com seis meses de atraso face ao inicialmente definido – o Eurogrupo decidiu validar o desbloqueio de 10,3 mil milhões de euros para Atenas. Sendo que os ministros das Finanças da Zona Euro decidiram então que este montante seria libertado em duas fases: 7,5 mil milhões no imediato, ficando o restante dependente da prossecução das 15 reformas estruturais acordadas há mais de um ano com a troika.
 
No entanto, no início deste mês o Eurogrupo optou por partir uma vez mais a tranche prevista, desta feita os 2,8 mil milhões de euros cujo desembolso havia ficado adiado para depois do Verão passado. Os ministros das Finanças do euro anunciaram que iriam desbloquear apenas 1,1 mil milhões de euros, ficando os remanescentes 1,7 mil milhões condicionados à evolução do pagamento de dívidas do Estado helénico, em especial a fornecedores.
 
Ficou estipulado que Atenas deveria remeter informação adicional sobre esta questão até ao final do presente mês, o que foi feito satisfatoriamente tendo em conta a decisão de hoje do MEE. A instituição liderada por Regling especificou que os 1,1 mil milhões serão dirigidos ao pagamento do serviço de dívida, enquanto os 1,7 mil milhões serão transferidos directamente para uma conta "dedicada ao pagamento de dívidas" do Estado.
 
Com a transferência destes meios financeiros agora aprovada, a Grécia já recebeu 31,7 mil milhões de euros no âmbito do programa de assistência grego em vigor e que poderá ascender a uma ajuda financeira de 86 mil milhões de euros em três anos. Incluindo os dois resgates anteriores (através do Fundo Europeu de Estabilização Financeira) – a Grécia recebeu três num espaço de cinco anos – Atenas já beneficiou de um apoio financeiro de 173,5 mil milhões de euros.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:

1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e seus pensionistas): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

pub
pub
pub
pub