Economia 44.914 estudantes já entraram para a universidade

44.914 estudantes já entraram para a universidade

Desde 2010 que não entravam tantos estudantes na universidade. São 44.914 os colocados no final da primeira fase de acesso, dos quais quase metade entraram na primeira opção. Sobram 6.225 vagas.
44.914 estudantes já entraram para a universidade
Os 44.914 alunos que entraram na primeira fase de acesso ao ensino superior corresponde ao valor mais elevado desde 2010
Correio da Manhã
Rui Neves 10 de setembro de 2017 às 00:01

Dos 52.434 candidatos à primeira fase de acesso ao ensino superior, mais 6% do que há um ano, 85,7% foram já colocados. São 44.914 os estudantes que entraram numa universidade (27.648) ou politécnico públicos (17.266), o que traduz um aumento de 5% face ao ano anterior e o valor mais elevado desde 2010.

 

De acordo com os resultados do concurso, que podem ser consultados no site da Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES), quase metade (49%) dos estudantes agora admitidos conseguiu firmar uma vaga na primeira opção do boletim de candidatura, 21,6% na segunda e 12,8% na terceira opção.

 

Sobraram 6.225 vagas para a segunda fase do concurso, o que representa uma diminuição de 22,4% em relação à mesma fase do concurso do ano passado - é o menor número de vagas sobrantes desde 2009.

 

O ministério da tutela estima que o número de estudantes que vai chegar este ano às instituições de ensino superior públicas, incluindo cerca de 47 mil no final das três fases do concurso nacional, ultrapassará os 73 mil, "incluindo cerca de 66,5 mil estudantes nos cursos de licenciatura e mestrados integrados e cerca de 6,8 mil estudantes nos cursos técnicos superiores profissionais.

 

As universidades de Lisboa e do Porto são, sem surpresas, as preferidas dos alunos.

 

A da capital foi a mais procurada - 9.373 colocaram um curso ministrado nesta instituição em primeiro lugar nas suas opções, tendo sido preenchidas 7.596 das 7.661 vagas abertas.

 

Já com um total de 7.454 candidatos em primeira opção para uma oferta de apenas 4.185 vagas, a Universidade do Porto apresentou a mais alta taxa de procura - 178%. Resultado: chegou aos 100% na taxa de preenchimento de vagas.

 

Esta universidade realça que "domina a lista dos cursos com as médias mais altas" de entrada nas universidades portuguesas, com "sete dos 15 cursos superiores que registam a maior nota do último classificado em Portugal"  a pertencerem a esta instituição, e, "no top-6 desta lista", a mesma universidade "está representada com quatro cursos: Engenharia e Gestão industrial, Medicina (FMUP)), Bioengenharia e medicina (ICBAS)".

 

Na cauda do "ranking" da procura no ensino superior estão os politécnicos. Por exemplo, nos de Tomar e de Portalegre colocaram um curso destas instituições em primeiro opção apenas 72 e 97 candidatos, respectivamente.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.09.2017

A cadeia de fast food e o serviço de limpezas da hotelaria agradecem.

comentários mais recentes
Anónimo 10.09.2017

Emigrar para limpar sanitas e assentar tijolo já não é apelativo.

Anónimo 10.09.2017

A cadeia de fast food e o serviço de limpezas da hotelaria agradecem.

ESPSIR 10.09.2017

O melhor é o Costa começar a vender canudos á porta do mistério da inducaçao. Pela parte vou-me inscrever na privada na 4ª fase no curso de Ralaçoes Publicas e Politricas Internacionais que é o que está a dar nas jotinhas.
Vao pra engenharia queimar as pestanas e vao viver com o salário minimo

KANEKO 10.09.2017

Basta ver que para posiçoes relevantes em organismos tecnológicos do estado os nomeados ou sao de direito, relações publicas ou arquitectos. Imagino o que percebe um jurista de Telecoms, Energia ou outras- um burro a olhar para um palácio. O que interessa sao as amizades e essas pagam-se com favores

ver mais comentários
pub