Educação Alunos portugueses superam média da OCDE

Alunos portugueses superam média da OCDE

Portugal conseguiu pela primeira vez resultados "significativamente superiores" à média da OCDE nos testes PISA em ciências e leitura, afirma o Instituto de Avaliação Educativa face aos dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico hoje divulgados.
Alunos portugueses superam média da OCDE
Lusa 06 de dezembro de 2016 às 10:12

O PISA, na sigla em inglês, é um Programa Internacional de Avaliação de Alunos, em que Portugal participa desde 2000 e que se dirige aos alunos de 15 anos, entre o 7.º e o 12.º ano.

 

O principal domínio avaliado nesta edição foi a literacia científica e foi aquele em que Portugal mais se destacou, ao obter uma classificação de 501 pontos (459 pontos na edição do ano 2000, 468 em 2003 e 474 pontos em 2006).

 

No relatório hoje divulgado em várias capitais, a OCDE nota que na maioria dos países com dados comparáveis, o desempenho a ciências não sofreu alterações significativas desde 2006, apesar dos avanços científicos e tecnológicos naquele período.

 

"No entanto, o desempenho em ciência melhorou entre 2006 e 2015 na Colômbia, Israel, Macau (China), Portugal, Qatar e Roménia", lê-se no documento da organização internacional. Portugal atingiu uma pontuação de 493 pontos em 2009 e de 489 em 2012 neste domínio, numa escala de zero a mil.

 

"Entre os países da OCDE, Portugal tem melhorado mais de sete pontos a cada três anos, em média, e Israel, aumentou cinco pontos" em cada ciclo idêntico, escrevem os relatores internacionais.

 

Em Portugal, a divulgação do PISA ficou a cargo do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), segundo o qual Portugal tem registado "uma tendência de melhoria significativa dos resultados nos três domínios analisados", desde o primeiro ciclo do PISA, em 2000.

 

Além dos 501 pontos em literacia científica, os alunos portugueses conseguiram atingir 498 pontos em literacia de leitura e ficaram-se pelos 492 pontos em literacia matemática.

 

Em 33 economias e países, incluindo Portugal, a percentagem de alunos de topo a ciências é maior entre os rapazes do que entre as raparigas.

 

"Entre os países onde mais de 1% dos estudantes tem desempenhos de topo em ciência, na Áustria, no Chile, na Irlanda, em Portugal e no Uruguai, cerca de dois em cada três destes alunos são rapazes", observa a OCDE.

 

Apenas a Finlândia tem mais raparigas do que rapazes neste indicador. Nos restantes países, a diferença de género não tem relevância estatística, segundo os peritos.

 

O IAVE sublinhou que Portugal ocupou a 17.ª posição na escala ordenada dos resultados em ciências quando considerados os países membros da OCDE, na avaliação da leitura ocupou a 18.ª posição, e em matemática ficou na 22.ª posição.

 

No domínio da leitura, que inclui a capacidade de usar a informação escrita em situações da vida real, o melhor desempenho foi conquistado por Singapura (535 pontos), seguindo-se o Canadá e a Finlândia, com resultados próximos.

 

O IAVE notou que Singapura obteve os melhores resultados médios nos três domínios avaliados e que Portugal integrou "o segundo bloco de países com resultados, em ciências e em leitura, significativamente acima da média da OCDE".

 

Entre 2012 e 2015, as pontuações médias de Portugal no PISA "aumentaram 12, 10 e 5 pontos em ciências, leitura e matemática, respectivamente", segundo a análise do IAVE.

 

Os resultados do PISA permitem avaliar o nível de preparação dos jovens para entrar na vida activa ou prosseguir estudos superiores, à medida que estes se aproximam do fim da escolaridade obrigatória, refere o Ministério da Educação na nota de apresentação dos resultados de 2015.

 

Ao longo dos seis ciclos do PISA, a progressão média dos resultados nacionais foi de 2,8 pontos/ano em ciências, de 2,6 pontos/ano em matemática e de 1,8 pontos/ano em leitura, de acordo com o IAVE.

 

Este estudo envolveu 72 países e economias, 18.000 escolas, 95.000 professores e quase meio milhão de alunos, dos quais 7.325 em Portugal.

 

O IAVE fez uma análise por regiões, a nível nacional, segundo a qual o Alentejo litoral foi a unidade territorial que registou os melhores desempenhos nos três domínios avaliados.

 

Os resultados mais fracos verificaram-se na zona do Tâmega e Sousa, Alto Tâmega e Terras de Trás-os-Montes.

 

Os resultados do PISA 2015 são hoje apresentados em Sintra, numa sessão que conta com a participação do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e do secretário de Estado da Educação, João Costa.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.12.2016


O ensino melhorou em Portugal entre 2012 e 2015.

Governo PSD/CDS

Ministro Nuno Crato

comentários mais recentes
pertinaz 07.12.2016

CARREGA PASSOS COELHO !!!

CARREGA NUNO CRATO !!!


A ESCUMALHA DA ESQUERDALHA CANALHA VAI DESTRUIR O QUE FOI FEITO


OS PROFESSORES JÁ COMEÇARAM A AVISAR

fred 06.12.2016

E o Crato a querer exigência para os meninos. Que resultados tão maus que isto deu.

O que vale é que agora temos o ministro Mário Nogueira a comandar.

Anónimo 06.12.2016


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

Anónimo 06.12.2016


O ensino melhorou em Portugal entre 2012 e 2015.

Governo PSD/CDS

Ministro Nuno Crato

pub
pub
pub
pub