Educação BE exige inspecção a casos de professores universitários que dão aulas sem receberem  

BE exige inspecção a casos de professores universitários que dão aulas sem receberem  

O BE exigiu hoje, no parlamento, uma inspecção aos casos de professores universitários que dão aulas sem receberem salário, mas o ministro do Ensino Superior considerou que não existe qualquer ilegalidade que justifique essa medida.
BE exige inspecção a casos de professores universitários que dão aulas sem receberem  
O ministro Manuel Heitor entende que "não há matéria para qualquer inspecção", porque "não houve nenhuma ilegalidade".
Miguel Baltazar
Lusa 03 de Janeiro de 2017 às 17:52

O ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, está a ser ouvido na comissão parlamentar de Educação e Ciência, para apreciação da política geral do ministério.

 

Recentemente, o Jornal de Notícias noticiou que reitores das universidades estão a contratar professores e investigadores para darem aulas, sem receberem qualquer remuneração.

 

Para o deputado do BE Luís Monteiro, trata-se de um "caso grave de proliferação da precariedade" laboral, que requer "uma resposta real" da tutela, traduzida numa "inspecção a estas denúncias".

 

O ministro Manuel Heitor entende que "não há matéria para qualquer inspecção", porque "não houve nenhuma ilegalidade".

 

Segundo o titular da pasta do ensino superior, a legislação portuguesa permite contratar professores universitários a custo zero.

 

Em declarações ao Jornal de Notícias, o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, António Cunha, disse que a contratação de professores, sem remuneração, é uma "situação pontual, prevista na lei", para docentes convidados, e que "não tem por objectivo a redução de custos".

 

Numa reacção, há uma semana, em Coimbra, o ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, afirmou que a contratação de docentes, nestes termos, "é normal" e uma prática que ocorre em todo o mundo.

 

Na quinta-feira, a este propósito, o Sindicato Nacional do Ensino Superior acusou, em comunicado, o ministro de "branquear situações ilegais".

 

 

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Avelino Abreu Há 1 semana

Mas alguém acredita nisso!!!!!!

Manuel Nelson Bouças Há 1 semana

Então e aqueles que recebem sem dar aulas?

Nuno Alves Há 1 semana

LOL

Anónimo Há 1 semana

Ho diabo os catarinos viram gato Escondido com rabo de fora.As vezes tambem leio aqui que mulherzinho dao o consagrado em troca de biscatada.Mas o caso portugues era de estranhar se fosse um pais de gente seria,entao, onde e q ja se viu o governo enganar o proprio estado?Tal e a gerigoncada,pouposo

ver mais comentários
pub