Educação Cabaz médio dos manuais escolares ronda os 112,5 euros

Cabaz médio dos manuais escolares ronda os 112,5 euros

O cabaz médio dos manuais escolares para o próximo ano lectivo custa 112,5 euros e o ano escolar mais caro é o 11.º, onde o valor chega quase aos 200 euros, segundo a associação de editores e livreiros.
Cabaz médio dos manuais escolares ronda os 112,5 euros
Correio da Manhã
Lusa 20 de julho de 2017 às 08:33
De acordo com as contas da Comissão do Livro Escolar da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), o cabaz médio do ensino secundário para o ano lectivo 2017/2018 é o mais caro, com um valor a rondar os 173,6 euros, sendo que no 11.º ano os pais chegam a gastar 196 euros nos seis manuais necessários.

No 1.º ciclo (do 1.º ao 4.º ano lectivo) os alunos precisam apenas de quatro manuais e o valor médio do cabaz anual ronda os 35 euros, sendo que o custo vai subindo e o ano escolar mais caro em livros é o 4.º ano, com um custo de 45,2 euros.

Já no 2.º ciclo (5.º e 6.º anos de escolaridade) o valor médio do cabaz é de 97,2 euros. O ano mais caro é o 6.º, onde os cinco manuais escolares custam 99,5 euros.

Os custos continuam a subir e no 3.º ciclo (do 7.º ao 9.º ano de escolaridade) o cabaz médio ronda os 162 euros, sendo que o mais caro é o 7.º ano, com um custo total de 174,8 para os oito manuais necessários.

As contas da APEL indicam ainda que no ensino secundário (10.º, 11.º e 12.º anos) o valor médio do cabaz ronda os 176,3 euros e aqui o ano escolar mais caro em livros é o 11.º, com um valor de 196 euros para os seis manuais.

Estes valores foram calculados com base nos preços de venda ao público (incluindo IVA) dos manuais escolares dos diferentes anos de escolaridade, definidos através da Convenção de Preços em Vigor.

De acordo com a Convenção de Preços dos Manuais Escolares estabelecida entre os ministérios da Educação e da Economia e a APEL, a actualização dos preços dos manuais para o próximo ano lectivo é de 0.87%.

Segundo a APEL, no ano lectivo 2017/2018 há novos manuais escolares, que iniciam a vigência de seis anos definida pela lei, nos 2.º, 5.º, 6.º e 12.º anos de escolaridade.

Para o 2.º ano de escolaridade há este ano novos livros para as disciplinas de Português, Estudo do Meio e Matemática, no 5.º ano há novos manuais para Inglês, Educação Visual e Educação Tecnológica e, no 6.º ano de escolaridade, há novos manuais de Português, História e Geografia de Portugal, Matemática, Ciências Naturais e Educação Musical.

No secundário, há novos manuais escolares no 12.º ano para as disciplinas de Português, Matemática A, Física e Química.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Leonor 20.07.2017

É vergonhosa a política de educação para os livros da escola. Tudo serve para o negócio. Agora até já vendem caixões com sistema stéreo. Para quando com ar condicionado?

Os manuais deviam custar 5 euros, no máximo.