Educação Colégios desafiam Ministério e mantêm turmas cortadas

Colégios desafiam Ministério e mantêm turmas cortadas

Os privados dão mais um passo na disputa com o Ministério da Educação, ao aceitarem alunos para turmas que a tutela garantiu não apoiar por existir disponibilidade na escola pública para receber esses mesmos alunos, escreve o Diário de Notícias.
Colégios desafiam Ministério e mantêm turmas cortadas
Sérgio Lemos/Correio da Manhã
Negócios 25 de agosto de 2016 às 10:09

Os colégios privados estão a manter inscrições para turmas que perderam o financiamento público e a aceitar alunos residentes fora da freguesia onde estão sedeados.

O novo passo na disputa entre os 39 colégios com contratos de associação que perderam o apoio estatal por haver escolas públicas disponível para receber alunos e o Ministério da Educação é contado esta quinta-feira, 25 de Agosto, pelo Diário de Notícias.


Foram vários os colégios a garantir à publicação que têm os horários completos e que decidiram aceitar alunos de fora da sua freguesia, ignorando a limitação imposta pelo ministro Tiago Brandão Rodrigues.  


Os colégios admitem assumir os custos das turmas em questão e ameaçam processar o Estado. A tutela responde que só pagará às escolas com quem assinou contrato para apoiar turmas de início de ciclo.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 25.08.2016

Os colégios privados estão a manter inscrições para turmas que perderam o financiamento público porque estão a recorrer à LEIOFF, onde obrigam os seus docentes a trabalhar oras gratuitamente e a Segurança Social paga 67% dos vencimentos.

Isto é vergonhoso e mais uma vez a ACT tomou conhecimento desta atitude por parte das escolas e nada faz.

Os colégios privados deixam de receber por essas turmas através do Ministério da Educação e recebem através da Segurança Social.

Vivemos num país a saldo.

comentários mais recentes
Anónimo 01.10.2016


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

tiaguinho do berloque 08.09.2016

Mas essas garotices são para levar a sério? Então diz que fecharia turmas para poupar dinheiro? Ora tenta lá saber quantos destacamentos sindicais com redução total da componente lectiva autorizou para este ano. O que eles querem é dar música.

Anónimo 08.09.2016


ESCOLAS COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO

Curiosamente o Tribunal de Contas afirma que cada aluno nas escolas com contrato de associação, custa menos 400€ ao estado do que nas escolas públicas.

Ooops! Lá se vai o argumento do preço!

Fica apenas o argumento ideológico!

12:34 Também mamas? 25.08.2016

Seu atrasado mental quando o meu restaurante tiver que fechar vou ter consigo, olhe é a democracia, Asno.

ver mais comentários
pub