Educação Costa: "Não podemos mudar tudo já, não podemos fazer tudo de uma só vez"

Costa: "Não podemos mudar tudo já, não podemos fazer tudo de uma só vez"

Defendendo os primeiros dias do seu Governo, António Costa explicou, no entanto, porque não se eliminou já a totalidade da sobretaxa.
Costa: "Não podemos mudar tudo já, não podemos fazer tudo de uma só vez"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de janeiro de 2016 às 20:03
Na Comissão Nacional do PS, António Costa defendeu a sua governação. Na sua intervenção, o primeiro-ministro defendeu uma linha de "gradualismo" inerente à acção do seu executivo.

"Vamos mudar com gradualismo. Não podemos mudar tudo já, não podemos fazer tudo de uma só vez e temos de compatibilizar a vontade de mudança com o compromisso que também cumpriremos de conduzir o país para uma situação estável do ponto de vista orçamental, reduzindo progressivamente o défice e o endividamento", declarou.

Segundo o secretário-geral do PS, cada decisão do Governo é aferida "com peso, conta e medida, precisamente para se virar a página da austeridade, mas sem com isso arrastarmos o país para uma situação de incumprimento perante a União Europeia".

"Por isso, não repomos integralmente a 1 de Janeiro os salários da função pública, mas garantimos que serão repostos integralmente ainda este ano, tal como resultou dos acordos com os nossos parceiros [Bloco de Esquerda, PCP, e PEV]. Por isso, igualmente, deixamos para o próximo ano a eliminação da sobretaxa de IRS para os escalões de rendimentos mais elevados", advogou ainda.

António Costa respondeu ainda às críticas do PSD e CDS-PP de que o seu executivo está a reverter tudo o que fora feito anteriormente, contrapondo que o seu Governo "não está a mudar pela simples vontade de mudar".

"Estamos a mudar porque prometemos que íamos fazer a mudança e, sobretudo, porque é necessário mudar. A estratégia da austeridade só garantiu destruição de emprego e de empresas, empobreceu as famílias, conduziu o país a uma maior situação de endividamento, não possibilitou a estabilização das finanças públicas e não relançou a economia. Se prosseguíssemos a mesma política, teríamos os mesmos resultados - e nós não queremos os mesmos resultados", alegou o secretário-geral do PS.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se nao e o deficit aritmetico a vir dizer borrada e o tone de rans,nao sera melhores estes gafoes mudarem de canal?IRRA.

Anónimo Há 1 semana

A unica coisa que mudou nestes dias foi a estacao do ano,precisamente a 21 de dezembro deixou-se o Outono para entrarmos no Inverno.

Anónimo Há 2 semanas

Autoelogiar-se e feio eu ate diria medroso,agora quando o elogio vem de quem nao se espera e de aplaudir.Mantenho:esperemos pelos resultados.Enfiar os dedos no cu da galinha a procura do ovo pode sair com os dedos burrados.

pub