Educação Dinheiro para comprar livros ainda não chegou a muitas famílias carenciadas

Dinheiro para comprar livros ainda não chegou a muitas famílias carenciadas

Várias escolas estão à espera que o Ministério da Educação transfira as verbas da Acção Social Escolar, que comparticipa a compra de manuais escolares. É uma situação “recorrente”, diz o sector. O Governo promete pagar tudo até amanhã, escreve hoje o DN.
Dinheiro para comprar livros ainda não chegou a muitas famílias carenciadas
Negócios 15 de Novembro de 2016 às 09:22

A um mês do final do primeiro período escolar, "grande parte" das escolas ainda não recebeu as verbas da Acção Social Escolar (ASE) e várias famílias carenciadas foram obrigadas a adiantar dinheiro para comprar os manuais escolares dos filhos, escreve esta manhã o Diário de Notícias. Várias associações do sector dizem que é uma situação recorrente e que a forma de os pais que beneficiam de apoio social a contornarem é adiantarem o dinheiro dos manuais. O Ministério da Educação promete resolver a situação até amanhã.

 

"Os pais que pagaram os livros do próprio bolso e beneficiam de ASE ainda não receberam", disse ao DN Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP). O dirigente sublinhou que as escolas "ainda não receberam do ministério" as verbas destinadas à acção social. O que é um problema, porque em causa estão famílias com dificuldades financeiras. "O que se pedia aos governantes é que fossem mais céleres na acção social. Para muitas famílias, este montante é muito importante", sublinha.

 

De acordo com o DN, o apoio da acção social escolar é uma das possibilidades de que as famílias mais pobres dispõem para terem acesso aos livros escolares. Algumas escolas responsabilizam-se pelo pagamento dos livros às livrarias e outras que entregam directamente os manuais aos estudantes, mas há também situações em que os pais pagam os livros e são depois reembolsados pelo estabelecimento de ensino. Só que, para isso acontecer, tem de receber as verbas da ASE, o que provoca atrasos nesse pagamento.

 

Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), confirma que se trata de "uma situação recorrente" e adianta que "uma grande parte das escolas ainda não conseguiu dar resposta a estas situações". As escolas estão "afogadas em encargos" e não conseguem dar resposta a várias situações.

 

O Ministério da Educação garantiu ao DN que vai concluir os pagamentos da Acção Social Escolar até amanhã, incluindo os casos que "necessitem de verificação financeira".

 

No ano lectivo de 2012/2013 havia 438 mil alunos a beneficiar da Acção Social Escolar.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub