Educação Ensino Superior: Alunos já estudam mais para ser engenheiros do que médicos

Ensino Superior: Alunos já estudam mais para ser engenheiros do que médicos

Engenharia Aeroespacial, no Instituto Superior Técnico, voltou a registar a média de entrada no ensino superior mais elevada na primeira fase de colocação, 18,8 valores, batendo o registo de 2016, de 18,53 valores, segundo dados divulgados este domingo.
Ensino Superior: Alunos já estudam mais para ser engenheiros do que médicos
Lusa 10 de setembro de 2017 às 00:16

Depois de anos a liderar a lista das médias de entrada no ensino superior mais elevadas, os cursos de Medicina foram, pelo segundo ano consecutivo, relegados para fora do pódio pelos mesmos três cursos: Engenharia Aeroespacial no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa (18,8 valores), Engenharia Física Tecnológica, da mesma instituição (18,75 valores) e Engenharia e Gestão Industrial, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (18,43 valores).


Em quarto lugar na lista aparece o curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, com um registo de 18,33 valores para o último colocado.


Nove cursos registaram médias de entrada superiores a 18 valores: para além dos já referidos, há ainda outros dois cursos de medicina – o do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto e o da Universidade do Minho, Bioengenharia da Universidade do Porto, e Engenharia Biomédica e Matemática Aplicada e Computação, ambos do Instituto Superior Técnico.


Em 31 cursos, o último colocado entrou com uma média de candidatura entre os 9,5 valores e os 9,9 valores, situação verificável para 722 estudantes.


Quase 45 mil alunos ficaram colocados no ensino superior público na primeira fase do concurso nacional de acesso, 49% dos quais no curso da sua preferência, segundo dados da Direcção-geral do Ensino Superior (DGES) hoje divulgados.


Os resultados da primeira fase estão desde hoje disponíveis para consulta no portal da DGES (http://www.dges.gov.pt), podendo ainda ser consultados através da aplicação de telemóvel ES Acesso.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.09.2017

Find out what you need to improve in yourself to become more effective!

Anónimo 11.09.2017

Find out what you need to improve in yourself to become more effective!

KANEKO 10.09.2017

Basta ver que para posiçoes relevantes em organismos tecnológicos do estado os nomeados ou sao de direito, relações publicas ou arquitectos. Imagino o que um jurista percebe de Telecoms, Energia ou outras- um burro a olhar para um palácio. Mas o que interessa sao as amizades e essas pagam-se com fav

KANEKO 10.09.2017

Será que a rapaziada nao aprende! Então querem estudar engenharia?Em univ. de prestigio como o IST, FCTP ou FCTC, os cursos exigem muito estudo e trabalho, então vão lá para fora , onde os Vossos cursos, aí sim, sao valorizados que por cá este governo despreza a Engenharia e os Engenheiros,

ver mais comentários
pub