Educação Fenprof pede intervenção de António Costa na colocação de professores

Fenprof pede intervenção de António Costa na colocação de professores

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) decidiu pedir a intervenção do primeiro-ministro, António Costa, face à alegada indisponibilidade da tutela para resolver a situação de docentes colocados em escolas muito distantes.
Fenprof pede intervenção de António Costa na colocação de professores
Pedro Elias
Lusa 04 de setembro de 2017 às 21:34

Em comunicado, a estrutura sindical refere que, "perante a indisponibilidade da secretária de Estado Adjunta e da Educação", o secretariado nacional "decidiu dirigir-se ao primeiro-ministro para tentar desbloquear a falta de diálogo e de negociação, com vista a encontrar as soluções necessárias".

 

A Fenprof anunciou que "fará chegar, ainda esta segunda-feira, ao gabinete do primeiro-ministro o conjunto de cartas enviado ao Ministério da Educação e espera que desta diligência resulte a realização da aguardada reunião ainda durante a manhã desta terça-feira".

 

Desde 25 de Agosto, data em que foram divulgadas as listas de colocação de professores, que a federação sindical "vem insistindo na realização de uma reunião com os responsáveis do Ministério da Educação".

 

Segundo a Fenprof, muitos são os professores que, "inesperadamente, foram colocados em escolas muito distantes daquelas em que habitualmente leccionavam", com "a agravante de serem inevitavelmente ultrapassados nas suas preferências por muitos dos que vierem a obter colocação em momento posterior".

 

O comunicado assinala que "em causa está a decisão administrativa e inesperada do Ministério da Educação de não considerar (apesar de não ser essa a prática de uma década) os milhares de horários ditos incompletos, pedidos pelas escolas, para a colocação dos professores dos quadros".

 

A Fenprof adianta que os gabinetes jurídicos "estão a apoiar a contestação jurídica" de professores que se têm dirigido aos sindicatos, "admitindo-se a interposição de providências cautelares".

 

A Lusa procurou obter uma reacção do Ministério da Educação ao teor do comunicado, mas sem sucesso.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Faz muito bem!
Afinal para que servem os PADRINHOS....

pub
pub
pub
pub