Educação FNE: Contratação de 250 funcionários não-docentes é "reforço significativo", mas insuficiente

FNE: Contratação de 250 funcionários não-docentes é "reforço significativo", mas insuficiente

O secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE) classificou como "reforço significativo" a contratação de 250 funcionários não-decentes para as escolas, embora o considere "tardio e insuficiente".
FNE: Contratação de 250 funcionários não-docentes é "reforço significativo", mas insuficiente
Correio da Manhã
Lusa 14 de agosto de 2017 às 17:01

O Ministério da Educação anunciou hoje a contratação de mais 250 assistentes operacionais para as escolas, um reforço que visa "responder a necessidades prementes indicadas pelos estabelecimentos de ensino" para o próximo ano lectivo.

 

Cabe agora aos estabelecimentos de ensino lançar os concursos para a sua contratação, informou o Ministério da Educação em comunicado.

 

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, considerou a medida positiva, mas tardia e "insuficiente, porque as necessidades das escolas são muito maiores".

 

"Esta medida é positiva porque é indispensável, mas é tardia porque não vai resolver os problemas logo no início do ano lectivo", uma vez que "os processos de contratação são demorados" e têm de ser desenvolvidos pelas escolas, explicou.

 

Também "é insuficiente" porque seriam necessários 2.000 funcionários e, "ainda não dá uma resposta definitiva a outros tipos de necessidades que surgem nas escolas e que deveriam ser superadas através de bolsas de trabalhadores", defendeu João Dias da Silva.

 

Segundo o dirigente da FNE, estas bolsas de trabalhadores iriam permitir substituir os funcionários que têm de faltar por diversas razões. "São tão poucos os que existem nas escolas que a insuficiência traz sempre dificuldades ao funcionamento das escolas", frisou.

 

A contratação de mais assistentes operacionais era uma reivindicação de directores e sindicatos, que, ao longo do último ano lectivo, promoveram manifestações e greves, tendo por base essa exigência.

 

O ministério afirma, no comunicado, que "está, neste momento, em fase de conclusão a revisão da portaria do rácio de alunos por assistente operacional - uma vontade há muito manifestada pelas escolas - com a qual o actual Governo se empenhou".

 

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, já tinha garantido em maio, no parlamento, que haveria no próximo ano lectivo um reforço do número de assistentes operacionais nas escolas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub