Educação FNE defende que as escolas precisam no mínimo de mais 2.000 funcionários

FNE defende que as escolas precisam no mínimo de mais 2.000 funcionários

A Federação Nacional de Educação (FNE) disse esta sexta-feira que as escolas precisam, "no mínimo, de 2.000 funcionários" mais e, em conjunto com a Fesap, antevê o encerramento de muitos estabelecimentos devido à greve da próxima semana.
FNE defende que as escolas precisam no mínimo de mais 2.000 funcionários
Bruno Simão
Lusa 27 de janeiro de 2017 às 20:59

Em conferência de imprensa conjunta, em Lisboa, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, e o presidente da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap), José Abraão, anteviram o encerramento de "dezenas de escolas" devido à greve de funcionários escolares agendada para dia 3 de Fevereiro.

 

A estimativa pode, por um lado, disse José Abraão, até revelar-se conservadora, uma vez que acredita que podem chegar às centenas os estabelecimentos encerrados, mas, numa análise cautelosa, Dias da Silva, por seu lado, recordou que entre os trabalhadores precários com salários muito baixos, como é o caso dos assistentes operacionais, "a disponibilidade dos trabalhadores tem que ser medida", admitindo que muitos não adiram ao protesto por "razões orçamentais".

 

Ainda assim, acrescentou: "Há funcionários com salários baixíssimos que estão a dizer que vão fazer greve". "Vai ser uma das grandes greves que se fez do pessoal não docente", vaticinou José Abraão.

 

Dos cerca de 4.000 funcionários com contratos emprego-inserção (CEI), colocados nas escolas pelos centros de emprego, restam agora "um número limitado", reduzido, uma vez que o atual Governo decidiu eliminar o recurso a estes contratos para contratar assistentes, tendo também autorizado a contratação de 300 funcionários na sequência de encerramento de escolas por falta de operacionais, disse.

 

Para além deste tipo de contratos há ainda os chamados 'tarefeiros', contratos para quatro horas de limpeza por dia a cerca de 3,5 euros por hora. "Mesmo assim, [com estes CEI e tarefeiros] havia insuficiência de trabalhadores. Nós entendemos que, no mínimo, 2.000 trabalhadores não docentes seriam essenciais", disse Dias da Silva.

 

O secretário-geral da FNE disse que a greve da próxima sexta-feira é "a oportunidade" para os funcionários mostrarem que estão "descontentes e insatisfeitos" com o congelamento das carreiras, salários, entre outras questões, e afirmar perante o Governo que "basta de serem ignorados".

 

"A desmotivação hoje tem um significado muito grande, mas acresce que fazemos esta greve com o objetivo de exigir ao Governo negociação e outra sensibilidade no que diz respeito ao estado em que se encontram os trabalhadores não docentes das escolas do nosso país", referiu José Abraão, que acrescentou que os funcionários se sentem "cansados e desrespeitados", pedindo ainda que lhes seja conferida dignidade.

 

Para o presidente da FESAP, a questão resolve-se à mesa de negociações, com o Ministério das Finanças e com o Ministério da Educação (ME). "O Governo com certeza saberá retirar as devidas ilações do descontentamento nas escolas e vir para a mesa das negociações, com a FNE, com a FESAP resolver o problema da precariedade", disse José Abraão.

 

A FNE recordou que anteriormente apresentou ao ME uma proposta para a criação de uma carreira especial de assistente operacional, sublinhando que isso não traria qualquer acréscimo de despesa para o Estado.

 

Dias da Silva acredita que a petição pública lançada relativa a este tema, e que já reuniu mais de 2.000 assinaturas, acabará por chegar ao parlamento. "Já que não há abertura para negociação estamos a procurar outro caminho", concluiu. 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.01.2017

Se a lei ainda vigora tem primeiro de mandar 4000 para casa,brincadeira minha:os comunas nao se incriminam contra eles proprios.Anda o mimico de folha na mao anunciar os 2,2 atingidos no passado ano,preferia antes 2,2%da gigantesca divida conseguida por passos em vez dos actuais 4 e muitos %,ha gost

Anónimo 28.01.2017

https://goo.gl/forms/i5DXKj6X9kVrLIjV2

Nitrato de escarreta 27.01.2017

Claro. No minimo. Eu cá por mim colocava aí uns . . . 15.000. No minimo. Ó valha-nos Santa Ingrácia que estes gajos só tem olhos pró seu próprio umbigo. Canhotos da treta.

pub
pub
pub
pub