Educação Governo garante que exames vão decorrer com normalidade com serviços mínimos  

Governo garante que exames vão decorrer com normalidade com serviços mínimos  

O Ministério da Educação garantiu hoje que estão reunidas as condições para que os exames nacionais e as provas de aferição se realizem dentro da "necessária normalidade" com a fixação dos serviços mínimos para a greve dos professores.
Governo garante que exames vão decorrer com normalidade com serviços mínimos  
Miguel Baltazar
Lusa 16 de junho de 2017 às 14:43

"O Ministério da Educação foi notificado da decisão do Colégio Arbitral que fixa os serviços mínimos para a realização das provas e exames marcados para o dia 21 de Junho. Fixados estes serviços mínimos, requeridos pelo Ministério da Educação, estão reunidas as condições para que estas provas e exames se realizem dentro da necessária normalidade", refere o Ministério, numa resposta enviada à agência Lusa.

 

O Ministério da Educação adianta ainda que "sempre esteve, e estará, aberto ao diálogo com as estruturas sindicais".

 

Fontes sindicais já tinham afirmado à Lusa que a greve dos professores agendada para 21 de Junho terá serviços assegurados para garantir a realização de exames nacionais e provas de aferição.

 

A informação da fixação dos serviços mínimos foi transmitida à Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e à Federação Nacional da Educação (FNE), que convocaram a greve.

 

A FNE vai emitir um comunicado ainda hoje e a Fenprof fará uma declaração pelas 15:00, em Coimbra.

 

 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A seguir á greve entram com 3 meses de férias. A Bela a Vida dos profes.

Anónimo Há 1 semana

Os governos não podem prejudicar o país, ao ceder aos Mmagistrado, médicos e enfermeiros, professores e mulheres da limpeza etc, porque cendendo cada vez querem mais e não se aguenta pagar mais impostos para sustentar a classe protegida.

pub