Educação Governo promete entrada nos quadros a "milhares" de professores

Governo promete entrada nos quadros a "milhares" de professores

Tiago Brandão Rodrigues garante que "alguns milhares de professores" serão vinculados aos quadros da Função Pública. O processo está em negociações com os sindicatos e a Fenprof defende que, já este ano, devem entrar todos os contratados com mais de 15 anos de serviço.
Governo promete entrada nos quadros a "milhares" de professores
Correio da Manhã
Negócios 17 de janeiro de 2017 às 09:29

Com os sindicatos a dizer que as negociações com o Governo para a vinculação de professores estão num impasse, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues veio garantir esta segunda-feira, 16, que serão vinculados aos quadros da Função Pública "alguns milhares" de professores.

 

Segundo o jornal Público, Tiago Brandão Rodrigues frisou que o objectivo é "diminuir a precarização de muitos docentes". Na última ronda de negociações, que decorreu na passada semana, o Governo propôs que a vinculação extraordinária, que decorrerá ainda este ano, em Setembro, abranja os professores que tenham, pelo menos, 12 anos de serviço e que estejam colocados este ano lectivo de 2016/17 com horário anual e completo.

 

Este último critério é contestado por muitos professores que, por não terem horário completo, nunca poderão ser abrangidos. A Fenprof diz estar disposta a aceitar se o Executivo aceitar reduzir de 22 para 20 hora o tempo de horário completo.

 

A proposta inicial da Fenprof, apresentada no final de Dezembro, era que fossem vinculados a partir de 1 de Setembro "todos os docentes com 15 ou mais anos de serviço, independentemente do grupo de recrutamento e de terem ou não cumprido esse tempo como portadores de habilitação profissional, que nos últimos quatro anos tenham completado, pelo menos, 365 dias na rede de estabelecimentos públicos".




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES DO PRIVADO

"Os trabalhadores que lutam, não o fazem por privilégios mas sim por direitos", dizem os FP.

COMO SÃO PAGOS OS “DIREITOS” DOS FP?

Através dos aumentos de impostos... que representam um corte no salário dos trabalhadores do privado (que não têm esses direitos)!

CONCLUSÃO: Os privilégios de uns, são pagos com o SACRIFÍCIO dos outros!


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Eu já percebi que anda tudo a assobiar para o lado e ninguém, incluindo comunicação social, quer fazer as perguntas dificeis, não vá estragar o quadro cor de rosa em que se vive,... mas quem vai pagar isso? que mais impostos nos irão impor? ou o que vão cortar para pagar isso?

Anónimo Há 3 dias

Para quando oferecer emprego aos nossos jovens licenciados que foram empurrados para o estrangeiro? Famílias a chorar nos aeroportos e o Costa?

Anónimo Há 3 dias

CUIDADO COM OS PROFESSORES PARASITAS QUE SÓ VÃO À ESCOLA PICAR O PONTO, NÃO ENSINAM NADA MAS DEPOIS DÃO EXPLICAÇÕES EM CASA A 10€ Á HORA SEM RECIBOS E SEM PAGAR IMPOSTOS, ESSES PARASITAS ESTÁ O MINISTÉRIO CHEIO, É NA ESCOLA QUE TEM DE ENSINAR E APLICAR. MUITOS FALTAM ÀS AULAS PARA DAR EXPLICAÇÕES.

Anónimo Há 3 dias


Ladrões FP / CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as ABSURDAS pensões dos ladrões FP-CGA.

Fica aqui a lista do pilim que os ladrões FP-CGA consomem ao OE (e que todos os contribuintes pagam):


Ano- Receitas CGA/ Trf. OE/ Desp. total

2008 - 2298 / 3396 / 6705

2012 - 2846 / 4214 / 7196

2015 - 4927 / 4601 / 9528 Milhões €


Pordata

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub