Orçamento do Estado Governo alarga gratuitidade dos manuais escolares a todo o primeiro ciclo

Governo alarga gratuitidade dos manuais escolares a todo o primeiro ciclo

A proposta de Orçamento do Estado quer manter a gratuitidade dos manuais escolares, sendo que o leque de alunos abrangidos será alargado. A medida vai incluir todos os alunos do primeiro ciclo do ensino básico.
Governo alarga gratuitidade dos manuais escolares a todo o primeiro ciclo
Miguel Baltazar/Negócios
Ana Laranjeiro 14 de Outubro de 2016 às 16:20

A proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano, aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, prevê a manutenção da gratuitidade dos manuais escolares no ensino público. Sendo que o Governo quer alargar o raio de acção. O documento refere que "é prosseguido o regime de gratuitidade dos manuais escolares" distribuindo livros no próximo ano lectivo (2017/2018) "a todos os alunos do 1º ciclo do ensino básico da rede pública".

A proposta de Orçamento esclarece ainda que cabe ao membro do Governo que tem a tutela da educação definir "os procedimentos e condições de disponibilização gratuita, uso, devolução e reutilização dos manuais escolares, podendo os mesmos ser reutilizados na mesma escola ou em qualquer outra escola ou agrupamento que o tenha adoptado".

Em Julho, já tinha sido avançado que o Governo estava a ponderar alargar a medida a todos os alunos do primeiro ciclo. A partir do próximo ano lectivo, 2017/2018, todos os alunos do primeiro ciclo poderão ter manuais escolares gratuitos. A intenção foi revelada à Renascença pela secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, em Julho. "O Orçamento do Estado ainda não está construído, mas aquilo que poderíamos aspirar era abarcar todo o primeiro ciclo", sustentou na altura.

Os alunos que no passado mês de Setembro entraram para o primeiro ano do primeiro ciclo já tiveram os manuais de forma gratuita. Isto porque em Março de 2016, o Partido Socialista revelou que ia votar favoravelmente a proposta de alteração do Orçamento do Estado avançada pelo PCP que prevê a distribuição gratuita de livros escolares aos alunos do primeiro ano do 1º ciclo do ensino básico no ano lectivo 2016/2017.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

Duas coisas distintas: uma coisa é a de quem paga os manuais escolares: a família diretamente ou o Estado; outra coisa é a da reutilização dos manuais escolares.

Só vejo referências à questão do pagamento. Reconheço que não procurei muito.

E A REUTILIZAÇÃO DOS MANUAIS? por razões da economia das famílias e do Estado (não, obviamente, a das editoras e a de toda a fileira do papel) e por razões de ecologia e da preservação do planeta.

Este ano comprei manuais para o 3º ano. E verifiquei duas coisas: a primeira foi a péssima qualidade padagógica dos manuais; roçam até a pura imbecilidade. Por exemplo, o de matemática é um bom exemplo do enorme défice em capacidade de esquematização e organização lógica e intuitiva. Basta olhar para o índice. Devem ter sido feitos por alguns professorzecos amigos formatados na escola festa e farra depois de Abril de 1974 e que continua e se aprofunda. Os professores e fazedores de manuais de hoje são os alunos de há uns tempos atrás.

A outra coisa que verifiquei foi que esses manuais foram feitos para uma utilização única . Porquê? porque têm espaços para escrever. Têm perguntas e têm espaço para escrever as respostas.

A menos que surja uma nova profissão que será a de apagadores de (respoistas de) manuais.

Logo, se isto não é tudo uma brincadeira, espero que o Governo e o Ministro da Educação acabem com essa chico espertice. Os manuais até podem ter perguntas, mas as respostas podem muito bem ser escritas num caderno à parte como se fazia antigamente.

MANUAIS SEM ESPAÇOS PARA RABISCAR RESPOSTAS, JÁ!

O Paulo Teixeira Ponto já levou uns contentores com dezenas de milhões de euros do BCP pelo que pode bem dispensar essa habilidade de induzir o consumo de manuais escolares como quem consome sandes de fiambre.





Maria Manuel Rodolfo Lima Há 3 semanas

Não me basta pagar os manuais das minhas filhas, ainda tenho de pagar os manuais dos filhos dos outros...

João Simas Há 3 semanas

Vamos lá gastar que alguém vai pagar....

Eduardo Salvado Pena Há 3 semanas

Hu

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub