Educação Já há mais de 40 mil candidatos a bolsas de estudo para o ensino superior

Já há mais de 40 mil candidatos a bolsas de estudo para o ensino superior

Até 31 de Agosto foram submetidas 40.703 candidaturas a bolsas de estudo no ensino superior, um aumento de 7% face ao mesmo período de 2016, segundo dados disponibilizados hoje pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).
Já há mais de 40 mil candidatos a bolsas de estudo para o ensino superior
Carlos Barroso/CM
Lusa 10 de setembro de 2017 às 00:30

"O processo de candidatura a bolsas de estudo para o ano lectivo de 2017/2018 encontra-se aberto desde 25 de Junho de 2017, tendo sido submetidas 40703 candidaturas até 31 de Agosto. Representa um aumento de cerca 7% em relação ao mesmo momento do ano anterior, sendo o maior valor registado dos últimos cinco anos", refere um comunicado da tutela.

 

Os dados são referentes às bolsas de acção social e o Governo estima que se mantenha no próximo ano lectivo (2017-2018) uma percentagem de 20% de estudantes com estas bolsas atribuídas.

 

O ministério tutelado por Manuel Heitor estima que cerca de metade das mais de 40 mil candidaturas já recebidas estejam em condições de ser renovadas automaticamente, de acordo com as mudanças no processo de atribuição deste apoio social promovidas pelo Governo.

 

De acordo com a tutela, os processos já recebidos e em análise estão em fase de validação. "Os estudantes que cumprem todos os requisitos necessários à renovação das suas bolsas de acção social começarão a ser notificados do deferimento das suas bolsas a partir do dia 11 de Setembro, prevendo-se que as mesmas sejam pagas até ao final do mês de Setembro", adianta o comunicado do MCTES.

 

Os dados da tutela indicam que em 2016-2017 beneficiaram de bolsas de acção social 71.941 estudantes, o que representa 20% dos alunos inscritos no ensino superior. Este número, acrescenta o MCTES, representa ainda um acréscimo de 4% em relação a 2015-2016 e o maior número de bolsas atribuídas desde 2010.

 

No decurso do último ano lectivo o ministro Manuel Heitor propôs a estudantes e instituições de ensino superior que o processo de atribuição de bolsas de estudo passasse a ser uma contratualização ao longo de todo o curso, e não um processo repetido anualmente, para simplificar e agilizar procedimentos e pagamentos.

 

A partir de 2017-2018 os estudantes com incapacidade igual ou superior a 60% passam a ter direito a uma bolsa de frequência, "com o objectivo de criar condições para a inclusão de cidadãos" nessas circunstâncias. O processo de candidatura será efectuado através de um formulário ‘online’, a disponibilizar oportunamente no sítio da internet da Direcção-geral do Ensino Superior".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 10.09.2017

E se nao tivesse estes dois panteoes que so estorvao,provavelmente a bolsa podia alongar-se nao a 40.000,mas sim a 50.000 necessitados.Foi ha dias noticia que de mil euros destinados aos incendios de Pedrogao chegam-lhes uma sombra desse dinheiro,o resto perde-se pelo caminho.Tao muito oportunismo.

pub