Educação Mário Nogueira diz que greve dos professores é decisiva para plano negocial

Mário Nogueira diz que greve dos professores é decisiva para plano negocial

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, disse hoje que a greve dos professores "vai ser decisiva" para o plano negocial e salientou que a expectativa de adesão à paralisação "é grande".
Mário Nogueira diz que greve dos professores é decisiva para plano negocial
Lusa 15 de novembro de 2017 às 09:04
Mário Nogueira falava à porta da Escola Secundária Manuel da Maia, em Lisboa, que às 08:00 já tinha dezenas de pais e alunos à porta, a marcar o início da greve dos professores.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores explicou que ainda era cedo para avançar com a adesão à greve, uma vez que a maioria das escolas ainda não tinha iniciado as aulas.

"Ainda não temos dados. Uma vez que só às 08:30 é que começam as aulas [na maioria das escolas]. Aqui na Escola Secundária Manuel da Maia, em Lisboa, como se pode ver as aulas começam às 08:00 e os alunos estão todos aqui porta. É uma escola que por norma não é uma escola em que os níveis de adesão sejam elevados. Praticamente a escola está parada e penso que vai repetir-se por todo o país", disse.

Os professores realizam hoje uma greve geral e uma concentração em frente ao parlamento, o que se poderá traduzir em escolas fechadas, alunos sem aulas e professores na rua.

Em causa está a polémica proposta de não contagem do tempo de serviço prevista na proposta do Orçamento de Estado para 2018 (OE2018), que será debatida na quarta-feira no parlamento.

"Os professores sabem que esta greve é talvez decisiva naquilo que pode vir a acontecer no plano negocial com a reunião que amanhã se realizará [com o Ministério da Educação] ", disse.

A Fenprof e a Federação Nacional de Professores (FNE) estiveram reunidas na terça-feira com o Governo.

Em comunicado enviado na terça-feira à noite, o Governo anunciou ter registado "avanços no sentido de um potencial acordo negocial".

"No seguimento das reuniões realizadas entre a secretária de Estado da Administração e Emprego Público, a secretária de Estado Adjunta e da Educação, a FENPROF e a FNE, o Governo regista avanços no sentido de um potencial acordo negocial", refere em comunicado.

O Governo acrescentou que "foram exploradas possibilidades" que vão agora ser analisadas, com as reuniões entre as partes a serem retomadas na quinta-feira.

Em declarações hoje à Lusa, Mário Nogueira disse que a "aquilo que ficou previsto na reunião na terça-feira foi que a negociação tinha de continuar".

"Ontem não houve nenhuma apresentação de uma proposta concreta da parte do governo. Houve sim a tentativa de durante quase duas horas de nos explicar porque é que no plano estritamente jurídico o tempo não podia ser recuperado. Eles têm de perceber que a ditadura do jurídico não se pode sobrepor aos direitos das pessoas", frisou.

Mário Nogueira destacou que os professores não estão a reivindicar mais salários, só a pedir o que é justo".

"As pessoas trabalharam durante nove anos, quatro meses e dois dias em que estiveram congeladas as carreiras. Não estamos a exigir que seja em dois anos, estamos disponíveis para negociar um faseamento", disse.

(Notícia actualizada às 9:25 com mais informação)



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Lopes Há 6 dias

Está feito com o PC para entalar o PS. E de que maneira, todos a progredir? Mesmo os que não dão aulas? Mais 600 milhões por ano no orçamento? Os reformados que se preparem para os cortes que virão a seguir.

comentários mais recentes
Porto Há 6 dias

Tenham vergonha, um professor devia entrar as 8h30m e sair da escola às 17h30m. Marcando cartão de ponto como as outras pessoas, os tempos não letivos, deveriam ser passados na escola, sendo as férias de 22 dias uteis. Toda a gente sabe o que se passa nas paragens letivas. Cambada de comunas

Neves Há 6 dias

Este acha que há uma árvore que dá dinheiro, vai trabalhar ou então rouba um Banco para teres o dinheiro.

pertinaz Há 6 dias

A FENPROF É LIDERADA POR UMA ESCUMALHA DO PIOR...

ESTÃO BEM PARA A ESCUMALHA QUE NOS DESGOVERNA...!!!

abelavida Há 6 dias

Greve essencial para o processo negocial? E se o estado considera-se essencial para o processo negocial não pagar um salário, isso seria legitimo?
uma coisa é negociar outra é chantagear.
Se alguém não cumpre as suas obrigações não deveria sequer poder estar na mesa de negociações.

ver mais comentários
pub