Função Pública Mário Nogueira: "Reunião com Ministério da Educação ficou aquém do desejável"

Mário Nogueira: "Reunião com Ministério da Educação ficou aquém do desejável"

A Fenprof reuniu-se esta manhã com Ministério da Educação e falou em poucos avanços nos compromissos que a Tiago Brandão Rodrigues pôde assumir. Sindicato decide esta tarde se vai para a greve a 21 de Junho.
Mário Nogueira: "Reunião com Ministério da Educação ficou aquém do desejável"
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 06 de junho de 2017 às 13:10

Só esta tarde o secretariado nacional da Fenprof decidirá se os professores avançam para a greve a 21 de Junho, mas esta manhã, à saída da reunião com o Ministério da Educação, Mário Nogueira deixou um sinal: "A reunião com o Ministério ficou aquém do desejável". Resta agora saber como o órgão executivo do sindicato vai avaliar os compromissos que a equipa de Tiago Brandão Rodrigues aceitou verbalmente e a disponibilidade das partes para marcar um novo encontro para passar a escrito as poucas partes onde houve algum avanço.

Na semana passada, a Fenprof e a Federação Nacional de Educação – os sindicatos afectos à CGTP e à UGT, respectivamente, que representam os professores – admitiram a possibilidade de avançar para greve a 21 de Junho, ficando a decisão final a depender do encontro de hoje com o Ministério da Educação.

À saída da reunião, Mário Nogueira, o líder da Fenprof afirmou aos jornalistas que a "reunião fica bastante aquém daquilo que considerávamos que seria expectável", acrescentando ter a convicção de que o Ministério da Educação percebeu isto mesmo.

No entanto, Nogueira adiantou que esta tarde ficou de ser marcada uma nova reunião com a tutela de Tiago Brandão Rodrigues para passar a escrito o compromisso que foi conseguido esta manhã de forma verbal. O secretário nacional do sindicato afecto à CGTP pôs água na fervura ao salientar que "ao admitir a marcação de uma outra reunião para passar a escrito o compromisso há aqui algum espaço". Mas lembrou que o Ministério da Educação está dependente de outros membros do Governo, como do ministro das Finanças, Mário Centeno.

Mário Nogueira adiantou que a vinculação de professores é, "das quatro grandes questões", aquela em que há avanço "que permita algum consenso". No entanto, o secretário nacional desvalorizou o facto de os ganhos serem nesta matéria, ao lembrar que a maior parte dos professores está nos quadros.

Sobre a aposentação, "praticamente não houve nenhum compromisso". Em relação às carreiras, ficou acordado que é intenção "trabalhar no sentido do descongelamento poder dar-se no quadro o estatuto da carreira docente, mas não há compromisso sobre o momento em que as carreiras descongelam".

No que toca à vinculação foi revelada abertura para os professores do ensino artístico. Quanto ao despacho de organização de ano lectivo e horários não há avanços significativos.

Mário Nogueira aproveitou para criticar a descentralização da educação para as autarquias – "Deus nos livre", disse, acrescentando tratar-se da "entrega absoluta da educação aos municípios" e defender a necessidade de discutir "o regime de gestão das escolas", que deve ser "profundamente alterado". 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 06.06.2017

Relax!
Não desistas !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Com os xuxas e geringonços é facil negociar! Eles abrem as pernas (do CONTRIBUINTE) com muita facilidade, pois não querem incomodar a rapaziada de 1ª: FP!

Tem calma! Sê paciente que vais ter o que desejas....

Anónimo 06.06.2017

A quem tenha que sair para trabalhar nesse dia, aconselha-se levar e usar uma lata de spray Dum-dum forte, porque vão andar por aí enxames de parasitas sedentos de sangue à solta!

Anónimo 06.06.2017

Ganhamos assim tanto? Se calhar não trocavas a tua pela minha. Tenho 40 anos de trabalho e se me derem 1500 € vou-me...., sim 1500 e não 2500 como já aí vi. Tanto disparate. Falem do que sabem.

FPUBLICO condenado a 48 anos trabalho 06.06.2017

este professores são das classes mais privilegiadas em Portugal e têm descaramento de se armarem em desgraçadinhos
vide lista mensal de aposentados da CGA.IP
media de pensão 2.500 €
um tecino superior com 43 anos de serviço leva 1.100€
haja vergonha

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub