Economia Miguel Relvas voltou a estudar e já tem licenciatura

Miguel Relvas voltou a estudar e já tem licenciatura

O ex-ministro já é mesmo licenciado em Ciência Política e Relações Internacionais. Um ano depois de a Justiça ter chumbado o “canudo”, Miguel Relvas voltou à Lusófona para fazer exames às duas disciplinas (teve 16 valores num e 13 noutro) então consideradas irregulares e obter o diploma.
Miguel Relvas voltou a estudar e já tem licenciatura
Miguel Relvas foi a exames e licenciou-se com 13 valores a Direito Administrativo e 16 a Teoria das Relações Internacionais.
Bruno Simão/Negócios
Negócios 29 de julho de 2017 às 16:43

Há cerca de duas semanas, nas instalações da universidade Lusófona, na segunda fase de exames o semestre lectivo, Miguel Relvas fez os exames escritos de Relações Internacionais e Direito Administrativo, tendo obtido 16 valores no primeiro e 13 no segundo, noticia o semanário Sol na sua edição deste sábado, 29 de Julho.

 

Com a aprovação a estas duas "cadeiras", o ex-ministro voltou a ter o número de créditos necessários para completar a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais, grau que tinha perdido há cerca de um ano.

 

Foi em Junho do ano passado que o Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa deu razão ao Ministério Público e anulou licenciatura do antigo ministro de Pedro Passos Coelho, entre 2011 e 2013.

 

Precisamente em 2013, o Ministério Público apurou que para o grau de licenciado na Universidade Lusófona o ex-ministro do governo PSD/CDS apenas tinha concluído 4 das 36 cadeiras do curso, tendo recebido equivalência às restantes pela experiência profissional.

 

Relvas concorreu pela primeira vez à Lusófona em 2006, onde aproveitou o regime jurídico que permitia a obtenção de créditos do ensino superior através do reconhecimento de competências e experiência.

 

Um ano depois, o antigo ministro ganhava o "canudo" com a classificação final de 11 valores. 




A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 30.07.2017

Bom, simplesmente lamentável! Face à actividade fraudulenta e criminosa do figurão e da suposta universidade o que devia ter acontecido era a anulação da aprovação ou equiparação em todas as disciplinas "lá feitas". Mas parece que não foi isso que aconteceu. Viva a farsa e a palhaçada: o crime para este tipo de gente continua a compensar.

comentários mais recentes
Camponio da beira 04.08.2017

Depois de tudo o que fez ainda lhe falta uma cadeira. Pelas costas.

Re: SALAZAR 02.08.2017

Subscrevo integralmente o comentário! É verdade! Nas públicas queimam-se as pestanas e nas privadas não! Gostaria de ver esses senhores a estudarem na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde estudei!

Anónimo 01.08.2017

Meus caros Srs. Estão enganados. A equivalência da experiência profissional e unidades curriculares consta de uma directiva europeia e foi aplicada em todas as universidades do país, públicas e privadas. É falso dizer que são apenas as privadas que a aplicaram.

SALAZAR 31.07.2017

O RELVAS NA LUSÓFONA, O SÓCRATES NA INDEPENDENTE, O PASSOS E O ARNAUT NA LUSÍADA, O DUARTE LIMA, O FRASQUILHO, OS FILHOS DO JÚDICE, DO PROENÇA E DO CASTELO BRANCO NA CATÓLICA... É FÁCIL DE PERCEBER PARA QUE SERVIU O "ENSINO" PRIVADO EM PORTUGAL. E AS PÚBLICAS DEPOIS ADMITEM-NOS A MESTRADOS!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub