Educação Ministro da Educação internado "por tempo indeterminado"

Ministro da Educação internado "por tempo indeterminado"

Tiago Brandão Rodrigues foi internado por causa de uma síndrome vestibular aguda que se caracteriza por tonturas e vertigens e vai ficar sob vigilância e investigação médica nos próximos dias.
Ministro da Educação internado "por tempo indeterminado"
Bruno Simão
Lusa 14 de novembro de 2017 às 15:43

O ministro da Educação vai faltar à audição parlamentar de discussão na especialidade do Orçamento do Estado, prevista para quarta-feira, na sequência do internamento hospitalar de Tiago Brandão Rodrigues por tempo ainda indeterminado, disse à Lusa fonte oficial.

 

Segundo a mesma fonte, Tiago Brandão Rodrigues foi internado hoje de manhã numa unidade do Serviço Nacional de Saúde em Lisboa, com o diagnóstico de síndrome vestibular agudo.

 

O governante cancelou a agenda prevista para hoje e vai ficar sob vigilância e investigação médica nos próximos dias.

 

A síndrome vestibular aguda caracteriza-se por tonturas e vertigens, que se manifestam de forma aguda durante segundos ou minutos mas podem prolongar-se durante horas e são acompanhadas por vómitos, dificuldade em manter o equilíbrio, intolerância a movimentos da cabeça e perturbações da visão provocadas por movimentos descontrolados do globo ocular.

 

O sistema vestibular faz parte do "labirinto" do ouvido interior e é constituído por estruturas membranosas associadas ao sentido do equilíbrio e orientação espacial.

 

A audição parlamentar do ministro da Educação coincidia com uma greve e manifestação junto do parlamento, convocadas pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e pela Federação Nacional da Educação (FNE) e outros sindicatos.

 

A greve e concentração de professores foi  convocada pela Fenprof, FNE e Frente Sindical de Docentes, constituída pelos sindicatos de professores ASPL, Pró-Ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPPEB, SIPE e SPLIU.

 

As estruturas sindicais exigem o descongelamento "justo" das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Alex Duarte Há 6 dias

Hoje os Senhores Doutores médicos não estão em greve? estas com sorte

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

O que faz o Costa aos seus colaboradores, atira-os às " feras": Seguro, Constança, M. Da Defesa e Educação na calha o da Saúde etc.

pertinaz Há 6 dias

SÍNDROME VESTIBULAR... TEM CERTAMENTE A HAVER COM QUESTÕES DO ENSINO...!!!

As Greves Políticas PCP BE PSD Há 6 dias

Gostava saber se é Resultado da Tenção provocada pela Canalhada Grevista a mamar no Estado, que estão sempre Mal, todos os Anos, mas nunca arranjam Melhor, e nos deixam aos Pais e às nossas Crianças em PAZ, Abutres que nos prejudicam ano após ano, Acabem com a Escola do Estado, com esse Dinheiro os

Anónimo Há 6 dias

Só há estes sindicatos? Há mais sindicatos do q professores. Estes é q estão bem. N andam c as malas ás costas , ganham o ordenado a distraírem-se, n têm ninguém a convocar greves contra eles. etc. Enfim é uma maravilha.
Não formam mais nenhum? Daria mais empregos de topo p m alguém

ver mais comentários
pub