Educação Notas sobem a Português e Matemática nos exames do 9º ano

Notas sobem a Português e Matemática nos exames do 9º ano

Os milhares de alunos que realizaram as provas nacionais de 3º ciclo, na primeira fase, a Português e Matemática, obtiveram classificação positiva, o que representa uma melhoria face a 2013.
Notas sobem a Português e Matemática nos exames do 9º ano
Correio da Manhã
Marlene Carriço 14 de julho de 2014 às 18:28

A média da prova de português realizada por 91.986 alunos internos do 9º ano fixou-se, nesta primeira fase, nos 56%,numa escala de 0 a 100%, sete pontos percentuais acima da média alcançada em 2013, e mais um ponto do que a média total (incluindo não internos). Já a Matemática, os 92.129 alunos internos obtiveram uma nota média de 53% (acima dos 51% da média total), também melhor do que em 2013 (44%).

 

Os dados divulgados esta segunda-feira, 14 de Julho, pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) revelam ainda que a taxa de reprovação em ambas as provas, e mais uma vez olhando apenas para o universo dos alunos internos, baixou de um ano para o outro. A Português baixou de 13% para 10% e a Matemática de 35 para 31%. 

 

Ao todo, foram realizadas 195.596 provas finais no 9º ano (Português, Português Língua não Materna e Matemática), 185.548 dos quais por alunos internos – ou seja, alunos que frequentaram as aulas durante o ano lectivo.

 

No processo de classificação das provas finais do 3.º ciclo estiveram envolvidos 5.154 professores classificadores do 3.º ciclo do ensino básico e na totalidade das provas finais do 3.º ciclo do ensino básico estiveram ainda envolvidos cerca de 10.000 docentes vigilantes e pertencentes aos secretariados de exames das escolas, revelou o Ministério da Educação e Ciência.

 

Também na sexta-feira os alunos do 12º ano ficaram a conhecer as notas dos exames nacionais. Globalmente os resultados melhoraram, mas houve disciplinas em que as médias desceram e a taxa de reprovação subiu, como foi o caso de História A, Economia A e Matemática A e B.

 

Ministério e gabinete de avaliação com visões diferentes dos resultados

Enquanto que o Ministério da Educação, na nota divulgada esta segunda-feira, 14 de Julho, faz questão de dizer que "em termos gerais, estas classificações evidenciam uma subida significativa em comparação com os resultados do ano anterior, observando-se uma variação de 7 e 9 pontos percentuais, respectivamente, nas provas de Português (91) e de Matemática (92)", o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) realça "o carácter positivo da evolução dos resultados médios, em particular o facto de neste ano lectivo se situarem acima de 50% em ambas as disciplinas", mas frisa que "a amplitude da sua variação enquadra-se dentro de limites considerados estatisticamente não relevantes".

 

"Regista-se uma subida de 7 pontos na disciplina de Português e de 9 pontos na disciplina de Matemática, valores sem significado se atendermos à natureza pública das provas, à sua estrutura interna (provas com 18 e 21 itens, respectivamente), a que acresce, no caso da disciplina de Matemática, a presença, pela primeira vez, de itens cuja resolução não permitia o recurso à calculadora, e a ainda diferentes populações de alunos avaliados", continua o instituto responsável pela elaboração das provas.

 

"Em suma, e contrariamente ao afirmado aquando da realização das provas, as variações observadas, bem como, em regra, as variações interanuais dos resultados médios agora divulgados, não permitem caracterizar as provas como 'fáceis' ou 'difíceis' ou fazer inferências consistentes e válidas sobra a evolução da qualidade do desempenho dos alunos", finaliza o IAVE.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Álvaro Rodrigues 14.07.2014

Ah! Ah! Ah! Baixaram o coeficiente de dificuldade dos exames? Só contas de somir e

pub