Orçamento do Estado PCP não vai impor metas para acelerar progressões dos professores

PCP não vai impor metas para acelerar progressões dos professores

O PCP proporá que o serviço prestado entre 2011 e 2017 seja considerado para progressão. Mas não imporá metas ou despesa adicional associada à contagem do tempo, deixando os detalhes para as negociações com os sindicatos.
PCP não vai impor metas para acelerar progressões dos professores
Catarina Almeida Pereira 17 de novembro de 2017 às 18:24
O PCP prepara-se para apresentar uma proposta de alteração ao Orçamento que determina que todo o tempo de serviço prestado entre 2011 e 2017, em todas as carreiras, incluindo a dos professores, deve ser considerado para efeitos de progressões. Mas não apresentará qualquer meta ou despesa adicional concreta para 2018, ainda que as reuniões desta tarde com os sindicatos não sejam conclusivas.

A posição foi assumida em conferência de imprensa por João Oliveira, líder parlamentar do PCP. "O PCP já assumiu o compromisso de apresentar a proposta necessária para resolver" o problema, "clarificando que todo o tempo de serviço tem de ser clarificado para efeitos da progressão na carreira".

"Relativamente à questão que tem a ver com a forma como o tempo é contado, como a valorização remuneratória se expressa e considerando as diferenças que existem de carreira para carreira essa é uma matéria que não pode dispensar a discussão entre o Governo e os sindicatos", sustentou.

Significa isto que a forma de considerar o tempo de serviço e o consequente impacto orçamental não ficará definido na proposta que o PCP apresentará, ainda que falhem as negociações desta tarde entre o Governo e os sindicatos de professores. Isso mesmo foi assumido aos jornalistas por João Oliveira.

O que as três estruturas sindicais têm vindo a pedir é que o Governo reconheça o tempo de serviço prestado durante o período de descongelamento e que faça reflectir esse tempo em despesa adicional no próximo ano.

De acordo com a descrição feita ao longo desta semana, a proposta que o Bloco de Esquerda vai apresentar também não estabelece qualquer meta, deixando os detalhes para as negociações.

(notícia em actualização)



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

JÁ SE PERGUNTARAM PORQUE É QUE OS JORNALISTAS E/OU OS FUNCIONÁRIOS DA RTP E DA ANTENA 1 NUNCA FAZEM GREVE ? PORQUE SERÁ ?

COSTA ESTÁ A DEIXAR-SE IMPRESSIONAR COM AS GREVES Há 3 semanas

ANTÓNIO COSTA ESTÁ A CEDER EM TODA A LINHA ÀS CHANTAGENS DOS PROFESSORES ou, mais propriamente, ÀS EXIGÊNCIAS DO PCP, QUE É QUEM, NA SOMBRA E NO COMITÉ CENTRAL, DESENCADEIA TODAS AS GREVES DOS PROFESSORES, ENFERMEIROS, MÉDICOS E F. P´BLICOS.
Dr. COSTA, O PCP NUNCA POR NUNCA ABANDONARÁ A GERINGONÇA

O PCP EXIGE E NÓS, CONTRIBUINTES, PAGAMOS Há 3 semanas

AFINAL, ONDE ESTÁ A VISÃO POLÍTICA DO Dr. COSTA, Q NÃO VÊ Q ESTAS GREVES ORQUESTRADAS PELO PCP SÃO APENAS PARA IMPRESSIONAR.

IGNORE-AS E DESCANSE, HOMEM !
FAÇA OUVIDOS DE MERCADOR AO NOGUEIRA.

O PCP NUNCA DEIXARÁ A GERINGONÇA, PQ A ÚLTIMA COISA Q QUERERÁ É VER, DE NOVO, A DIREITA NO PODER.

Saber mais e Alertas
pub