Educação Provedor: Concurso de mobilidade interna dos professores foi injusto

Provedor: Concurso de mobilidade interna dos professores foi injusto

O Provedor de Justiça considera que o concurso para professores do quadro este ano foi inadequado e injusto para alguns docentes, mas reconhece que a sua repetição prejudicaria o arranque do ano escolar.
Provedor: Concurso de mobilidade interna dos professores foi injusto
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 27 de setembro de 2017 às 09:10

Numa nota divulgada no site da Provedoria de Justiça, José de Faria e Costa explica, citando as queixas recebidas, que os docentes alegam que a opção de colocar a concurso -- na primeira fase -- os horários completos (22 horas de aulas por semana) resultou no "desrespeito pela ordenação concursal assente na graduação".


Como resultado, houve muitos docentes menos graduados que obtiveram colocação na primeira reserva de recrutamento em escolas que docentes mais graduados haviam escolhido preferencialmente.

 

Depois dos protestos dos professores, o Governo decidiu abrir no próximo ano lectivo um concurso extraordinário destinado a professores dos quadros (mobilidade interna).

 

O procedimento vai permitir que os docentes colocados este ano a centenas de quilómetros das suas áreas de residência possam corrigir estas situações.

 

Na nota divulgada no site da Provedoria de Justiça, José de Faria e Costa sublinha que esta solução "traduz o reconhecimento, por parte da Administração Educativa, da inadequação dos resultados concursais".

 

"Só tal premissa justifica a abertura de novo concurso interno apenas um ano depois do lançado em 2017 e contrariando a periodicidade regra de quatro anos", acrescenta.

 

O Provedor considera que "imperativos de justiça e boa-fé" exigem que seja dado aos candidatos conhecimento atempado de todas as regras concursais e sublinha: "Nos concursos de docentes, este conhecimento assume especial importância na medida em que os candidatos são chamados a manifestar as suas escolhas quanto às escolas onde pretendem ser colocados".

 

Apesar da injustiça, José de Faria e Costa considera que a repetição do concurso prejudicaria o arranque do ao escolar: "As actividades lectivas apenas seriam encetadas com os docentes dos quadros de escola e de agrupamento que não tivessem concorrido à mobilidade interna".

 

Recorda que a solução encontrada pela tutela difere a correcção dos resultados para o próximo ano escolar e diz que não deixará de apreciar, no momento em que for conhecida, "a conformação, designadamente legislativa, que vier a ser conferida ao próximo concurso de mobilidade interna, com vista a garantir a ponderação dos diversos interesses em presença".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub