Educação Redução de alunos por turma avança no próximo ano em mil escolas

Redução de alunos por turma avança no próximo ano em mil escolas

A redução é progressiva e vai começar nos anos iniciais dos ciclos dos ensinos básico e secundário de mil escolas de territórios com maiores problemas
Redução de alunos por turma avança no próximo ano em mil escolas
Correio da Manhã

Quase cinco anos depois da introdução de uma medida "reconhecidamente penalizadora", o Governo vai iniciar de forma gradual o processo de redução do número de alunos por turma, que arranca em cerca de mil escolas já a partir do ano lectivo 2017/2018.

Em comunicado, o Ministério da Educação informa que "assumiu como prioridade a adopção da redução progressiva do número de alunos por turma nos inícios de todos os ciclos dos ensinos básico e secundário das escolas dos Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP), que passarão a contar com as dimensões pré-2013".

O programa TEIP está implementado em 137 agrupamentos ou escolas não agrupadas "que se localizam em territórios económica e socialmente desfavorecidos, marcados pela pobreza e exclusão social, onde a violência, a indisciplina, o abandono e o insucesso escolar mais se manifestam", de acordo com a descrição que consta da página oficial da Direcção-Geral da Educação.  

"O processo de redução do número de alunos por turma tem, assim, início em 2017/2018 em perto de mil escolas TEIP de todo o território continental, onde estudam cerca de 200 mil alunos, prevendo-se o aumento do universo nos anos lectivos seguintes", acrescenta o comunicado do Ministério da Educação.

 

Máximo de 28 alunos por turma

 

O jornal Público já tinha noticiado esta segunda-feira que a redução de alunos por turma vai começar pelas escolas mais pobres.

 

O diploma publicado esta segunda-feira em Diário da República determina que "nas escolas integradas nos territórios educativos de intervenção prioritária as turmas do 1.º ano de escolaridade são constituídas por 24 alunos".

 

Já "as turmas dos 5.º e 7.º anos de escolaridade são constituídas por um número mínimo de 24 alunos e um máximo de 28 alunos".

 

De acordo com o jornal Público, que já esta segunda-feira tinha explicado que a redução de alunos por turma vai começar pelas escolas mais pobres, os limites máximos em vigor eram de 26 alunos e 30 alunos, respectivamente.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
azevedos 27.04.2017

Conselheiro de Trump: Então se os professores sabem menos do que os alunos, quem é que ensinou os alunos?

Isto é mais ... 17.04.2017

Uma medidaziiiinha propagandeada como uma verdadeira revolução no ensino!!
Característico de um governo de ilusionistas...

Conselheiro de Trump 17.04.2017

Qual "reconhecimento penalizador,qual porra".O problema esta que os prefessores sabem menos que os alunos.Quando nao se tem,nao se pode dar,parece-me ser tao simples como isso.Mas como os ceguetas so olham para os beneficios sem se preocuparem como eles sao conseguidos,tudo vai a feicao de cada um.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub