Educação Reduzir turmas a 20 alunos custa entre 500 e 700 milhões por ano

Reduzir turmas a 20 alunos custa entre 500 e 700 milhões por ano

As propostas do BE, PCP e Verdes oscilam entre mínimos de 18 e máximos de 20 alunos. As contas são do Conselho Nacional de Educação.
Reduzir turmas a 20 alunos custa entre 500 e 700 milhões por ano
Lusa 14 de fevereiro de 2017 às 17:59

As propostas do PCP, BE e Os verdes para reduzir o número de alunos por turma têm um impacto financeiro de entre 500 e 700 milhões de euros, disse o presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE).

 

Os projectos de lei dos três partidos para redução do número de alunos por turma nos ensinos básico e secundário estão a ser alvo de análise, em audições de várias entidades na área da educação, num grupo de trabalho sobre o tema da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência.

 

David Justino, presidente do CNE foi ouvido nesse âmbito tendo apresentado, a pedido da comissão, o impacto financeiro das propostas em causa.

 

"Devo dizer que a avaliação do impacto financeiro foi pedida pela Comissão de Educação. O cálculo sobre os três projectos" disse.

 

Segundo dados do presidente do Conselho Nacional de Educação, o projecto-lei do partido Os Verdes representa um aumento de 29 por cento do número de turmas, mais 26.700 docentes, um acréscimo de 570 assistentes sociais e um custo global de 727 milhões de euros. 

 

O projecto-lei do Partido Comunista Português, adiantou, representa um aumento de 26,3% de turmas, mais 24.600 docentes e 3.836 assistentes sociais. Em termos financeiros o aumento será de 703 milhões de euros.

 

Sobre o Bloco de Esquerda (BE), o Conselho Nacional de Educação estima que o custo do projecto de lei proposto seja de 513 milhões de euros, com um aumento de 18,4% do número de turmas e, de mais 17.500 docentes e 3.900 assistentes operacionais.

 

O partido Os Verdes propõe um máximo de 18 crianças na educação pré-escolar, 19 no 1.º Ciclo, 20 no 2.º e 3.º Ciclos e 21 no ensino secundário.

 

O PCP defende um máximo de 19 crianças por docente no pré-escolar, de 19 no 1.º Ciclo, de 20 nas turmas do 5.º ao 9.º ano e de 22 alunos no secundário.

 

O partido propõe, através de um projecto de lei, uma aplicação progressiva das medidas, a começar pelas turmas do primeiro ano de cada ciclo de ensino ou que no ano anterior tenham um nível de insucesso escolar superior à média nacional.

 

O Bloco de Esquerda defende 19 crianças por docente, no pré-escolar, e um máximo de 20 alunos, no 1.º Ciclo.

 

Do 5.º ao 12.º anos, as turmas propostas pelo BE serão constituídas por um mínimo de 18 alunos e um máximo de 22.

 

São também estabelecidos limites por docente, em função dos tempos lectivos semanais, que oscilam entre os 110 e os 66 alunos. Estabelece-se também um período transitório de aplicação progressiva, a iniciar em 2017/2018.

 

A deputada do BE Joana Mortágua lembrou que em todas as audições com parceiros educativos, entre os quais sindicatos dos professores e associações de pais, todos argumentaram que era benéfico reduzir o número de alunos e disse não ser papel do CNE fazer estudos dos impactos orçamentais, mas sim dos impactos pedagógicos das medidas.

 

"O que nos importa é saber se a diminuição do número de alunos por turma pode ou não ter efeito benéfico", disse.

 

David Justino respondeu indicando que o impacto financeiro foi pedido pela própria Comissão Parlamentar de Educação e que cabe ao CNE dar pareceres sobre medidas e politicas educativas sustentadas com estudos e encontrar pontos favoráveis e desfavoráveis.

 

Também a deputada do PCP Ana Mesquita referiu que todos os testemunhos confirmam que a redução do número de alunos por turma traria melhorias para o processo ensino/aprendizagem, defendendo que "é preciso começar por algum lado".

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 14.02.2017

COMICO:nao custa nada,custa alguma coisa mas pouco,mandar parar as encomendas de doencas porque os hospitais estao impedidos de fazerem despesa,resultado o governo mais poupadinho desde74 a esta parte,E A DIVIDA Q NOS DIVIDE CRESCE!Afinal onde esta o rabo do gato?Tera nascido sem ele?Serviu de TAINA

Conselheiro de Trump 14.02.2017

Pobre privado q mais parece um rochedo no meio dum Mar envenenado coberto de MEXILHOES.Os radicais ainda querem mais mexilhoes para cima deles ao abrirem a porta aos precarios.Eu fui precario 15 anos,mas hoje nao sou,porque razao os precarios portugueses ficam precarios?Podem procurar outro emprego

Conselheiro de Trump 14.02.2017

Quem foi o matematico que desenhou este macaco de cabeca para baixo!!Entao a reducao das 40 para as 35 horas semanais tem impacto de miles milhoes de euros?Nao estou a ver 1 medico com salario dum professor.Afinal e verdade:apanha-se mais depressa um ALDRABAO(e o q nao falta na gerigonca)que 1 coxo.

pub