Educação Reitor da UL defende mais residências universitárias devido a rendas elevadas

Reitor da UL defende mais residências universitárias devido a rendas elevadas

O reitor da Universidade de Lisboa disse hoje que a crescente inflação de preços no arrendamento de casas e quartos está a criar dificuldades aos estudantes do ensino superior da capital, o que torna urgente a oferta de mais e melhores residências universitárias.
Reitor da UL defende mais residências universitárias devido a rendas elevadas
Vítor N. Garcia/Cofina
Lusa 20 de setembro de 2017 às 19:56
António Cruz Serra falava hoje na abertura do Ano Académico da Universidade de Lisboa, que decorreu na Aula Magna.

Segundo o reitor, a Universidade de Lisboa, consciente desta carência, iniciou um programa de construção de residências universitárias.

"Estamos a construir uma residência no campus da Ajuda, que irá alojar, a partir do próximo ano, 180 estudantes; está em fase final de licenciamento uma outra residência no campus da cidade universitária com capacidade para 150 estudantes, e foi lançado concurso para a concessão e reabilitação de um edifício, nas instalações da Escola Politécnica, que será também explorado como residência de estudantes", explicou.

Cruz Serra disse ainda que a Universidade tem também um grande projecto que será a construção de uma residência para 800 estudantes na cidade universitária, junto à Biblioteca Nacional, a terminar antes do final do seu mandato de quatro anos.

A Universidade de Lisboa preencheu quase todas as vagas na primeira fase do concurso nacional de acesso.

No ano lectivo que terminou quase 10 mil estudantes concluíram as suas licenciaturas, mestrados e doutoramentos nesta universidade.

Segundo António Cruz Serra, entre os seus quase 50.000 estudantes, a Universidade de Lisboa acolhe cerca de 7.000 estudantes internacionais, provenientes de mais de 100 países, "criando um ambiente cosmopolita".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub