Educação Salário médio dos professores portugueses próximo dos valores mínimos

Salário médio dos professores portugueses próximo dos valores mínimos

O salário médio dos professores portugueses está mais próximo do valor mínimo definido para os docentes do que do máximo, segundo o relatório da Eurydice, onde o caso português aparece isolado com apenas outros seis países.
Salário médio dos professores portugueses próximo dos valores mínimos
Correio da Manhã
Lusa 06 de outubro de 2016 às 13:00

Na Europa, os salários actuais dos docentes tendem a estar mais próximos dos valores máximos legais, revela o relatório sobre "Professores e directores escolares -- salários e rendimentos na Europa 2015/2016", após analisar a situação vivida em 29 países da Europa.

 

Portugal foge a esta realidade já que os salários médios actuais estão mais próximos do valor mínimo, em parte porque os professores portugueses estão entre os que demoram mais tempo a chegar ao topo da carreira: 34 anos.

 

Os rendimentos mais baixos registam-se apenas em outros seis países: Croácia, Chipre, Malta, Hungria, Suécia e entre os docentes franceses do ensino primário.

 

Outra das razões para os portugueses terem, em média, salários mais próximos do mínimo está relacionada com a ausência de subsídios.

 

Segundo a rede de informações Eurydice, que analisou 40 países, na maioria das regiões os professores recebem outros apoios financeiros além do ordenado base, tais como participar em actividades extracurriculares ou dar aulas a alunos com necessidades especiais educativas.

 

Em Portugal, ao contrário do que acontece na maioria da Europa, ser educador de infância, professor do ensino básico ou do secundário não tem qualquer influência no rendimento: o salário médio anual é entre 21.960 e 42.377 euros por ano.

 

No passado ano lectivo, o vencimento mínimo anual de um professor era de 21.960 euros e o máximo de 42.377, independentemente do ano a que dava aulas.

 

Também entre os directores portugueses os ordenados não variam consoante o nível de ensino das escolas onde têm responsabilidades, mas sim consoante do número de alunos que têm.

 

Numa escola com menos de 301 alunos, um director pode ganhar entre 24.362 e 44.753 euros por ano. Já numa escola com mais de 1500 alunos, o rendimento anual varia entre 31.142 e 51.287 euros.

 

No ano passado, houve um aumento nos salários em 24 regiões europeias, mas em 16 países os ordenados mantiveram-se iguais ao ano anterior. Em Portugal, os docentes viram também os seus rendimentos aumentar.

 

Quando se compara o ordenado dos docentes e a riqueza do país, os portugueses aparecem numa situação privilegiada em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) per capita.

 

Os docentes em início de carreira ganham 127% do PIB per capita, quando na maioria dos países o salário de um professor em início de carreira é mais baixo.

 

Portugal surge assim como um dos oito que foge a esta regra, juntamente com a Espanha, Bósnia Herzegovina, Montenegro, Republica da Macedónia e Turquia. 

 

Já no caso dos docentes com salários mais altos, na maioria dos países o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita e, aqui, Portugal aparece em destaque como o terceiro com mais rendimentos: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%).

 

O relatório recorda que actualmente se espera de um professor mais do que a simples missão de ensinar e que os responsáveis pelas políticas educativas tentam encontrar formas de ter os melhores docentes e directores nas escolas.

 

O estudo conclui que os salários são uma boa forma de tornar a profissão atractiva, "juntamente com outros factores como as condições de trabalho, as perspectivas de carreira, as oportunidades e reconhecimento do desenvolvimento profissional".

 

Por isso, defendem, "as politicas que afectam os rendimentos e as perspectivas de carreira dos trabalhadores do sector da educação devem fazer parte integrante das estratégias para melhorar a atractividade da profissão de ensinar".




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Há dois grandes problemas no ensino em Portugal, um é o regime de administração e gestão das Escolas que resulta da sobrevalorização da política em relação à Pedagogia e ao conhecimento científico e técnico. Dessa sobrevalorização resulta um segundo problema: os professores que não dão aulas são tratados com discriminação positiva por esse sistema político. Isso desmotiva e revolta os verdadeiros professores. Para além disso a classe dos professores está bastante envelhecida e só conseguem reformar-se sem penalização aos 67 anos, o que resulta do facto dos sindicalistas não darem aulas e de precisarem das quotas dos professores mais velhos cujas contribuições são mais altas, uma vez que são calculadas com base no vencimento.

comentários mais recentes
Anónimo 18.06.2017

Para quem pretende aprender e melhorar o seu Português, recomendo aulas pelo Skype com a Preply!
https://preply.com/pt/skype/professores--portuguesa

Anónimo Há 2 semanas

Há dois grandes problemas no ensino em Portugal, um é o regime de administração e gestão das Escolas que resulta da sobrevalorização da política em relação à Pedagogia e ao conhecimento científico e técnico. Dessa sobrevalorização resulta um segundo problema: os professores que não dão aulas são tratados com discriminação positiva por esse sistema político. Isso desmotiva e revolta os verdadeiros professores. Para além disso a classe dos professores está bastante envelhecida e só conseguem reformar-se sem penalização aos 67 anos, o que resulta do facto dos sindicalistas não darem aulas e de precisarem das quotas dos professores mais velhos cujas contribuições são mais altas, uma vez que são calculadas com base no vencimento.

Mr.Tuga Há 2 semanas

Tudo ao contrario!

Deveriam ganhar em função do PIB e não de "carreirismo" programado e aumentos e promoções automáticos! Até porque muitos são uma nodoa! E nem sequer passam em EXAMES de professor!

Anónimo Há 2 semanas


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015.

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

ver mais comentários