Emprego É a altura de acabar com o horário de trabalho das 9h às 5h

É a altura de acabar com o horário de trabalho das 9h às 5h

A jornada de trabalho das 9h às 17h não se adapta à vida da maioria das pessoas, nem ao seu fluxo de trabalho.
É a altura de acabar com o horário de trabalho das 9h às 5h
Bruno simão
Bloomberg 24 de setembro de 2016 às 10:30

Jessica Piha chega ao trabalho às horas que quer e vai embora quando assim o entende.

 

"Não tenho um horário definido", diz Piha, directora de comunicações da startup de reformas de casas Porch, que permite que os seus funcionários tenham horários de trabalho flexíveis. Piha gosta de chegar "super-cedo" e sair às 15h00 para ir ao ginásio.

 

"Gosto de poder fazer meu trabalho quando é necessário fazê-lo", disse. "Nunca vou estourar um prazo nem deixar de cumprir as minhas obrigações".

 

É assim que deveria ser para todos os que não cumprem turnos específicos - ou seja, 42% da mão-de-obra dos EUA que, de acordo com o Departamento de Estatísticas de Trabalho, não trabalha em empregos que pagam à hora.

 

Deveríamos decidir como e quando realizar o nosso trabalho – mas continuamos presos ao relógio.

 

"Nos EUA, a nossa cultura está enraizada ao que chamo de mentalidade de horas", diz Carol Sladek, sócia da empresa de consultoria em recursos humanos Aon-Hewitt. "O turno de trabalho não faz muito sentido na maioria dos nossos sectores, que se baseiam em serviços".

 

A jornada das 9h às 17h não se adapta à vida da maioria das pessoas, nem ao seu fluxo de trabalho. Sentar-se numa cadeira durante oito horas seguidas não produz resultados; muitas pesquisas identificaram os benefícios de fazer pausas durante o trabalho. E as melhores horas para a produtividade variam de pessoa para pessoa. Nem todos estão mais dispostos de manhã. Uma pesquisa concluiu que a privação de sono custa aos empregadores em média 2.000 dólares anuais por trabalhador.

 

Os trabalhadores também acham que os horários de trabalho são dogmáticos. Somos adultos, gostamos de ter autonomia sobre nossas vidas.

 

Mais de metade dos trabalhadores consultados pela Society of Human Resource Management (SHRM) mencionou a flexibilidade como um aspecto "muito importante" da satisfação com o trabalho no relatório deste ano sobre satisfação dos funcionários. A proporção de famílias em que ambos os pais trabalham aumentou quase 50% desde 1970, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Pew no ano passado - no entanto, a estrutura do ambiente de trabalho praticamente não mudou para se adaptar ao novo padrão de normalidade. A mesma pesquisa concluiu que quase um terço dos trabalhadores com filhos diz ter dificuldade para equilibrar a vida profissional e a familiar, considerando também que a paternidade é uma fonte de stress.

 

"A última coisa que [os funcionários] querem é trabalhar para uma empresa com horários fixos, ficando num cubículo das 9 às 17 horas", disse Lisa Horn, que dirige a iniciativa de flexibilidade no ambiente de trabalho da SHRM. "É o oposto do que os trabalhadores procuram".

 

Tradução de artigo publicado originalmente na Bloomberg a 19 de Setembro

 




A sua opinião67
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

O horário flexível tem muitas vantagens, mas tem também uma grande desvantagem. Quando não há um horário a cumprir, tendo apenas que cumprir o plano de trabalhos, é muito fácil acabar por trabalhar 10-12h por dia (ou até mais). É muito fácil uma empresa exigir mais trabalho quando se encontra na posição de dizer "não estás a produzir tanto quanto devias porque não trabalhas horas suficientes". Quando um colaborador entra e sai da empresa quando quer é mais difícil controlar o número de horas que trabalha (a não ser que haja um sistema de "marcar o ponto", pouco comum em ambiente de trabalho não-fabril) e isso joga tanto a favor como contra o colaborador.

comentários mais recentes
Vilma Há 2 semanas

Porque porque não diminuir a carga horária de trabalho e contratar mais pessoas que se encontra desempregado! Assim aumentaria as condições para que as pessoas sobrevivesse a crise do nosso país , e não aumentaria a inadimplência

Anónimo Há 2 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

Joana Júdice Há 2 semanas

Das 9 às 17? Onde é esse paraíso? xD

Marc Antunes Há 2 semanas

Quem dera a maioria dos que trabalham ter esse horário!

ver mais comentários