Emprego PSD congratula-se com recuo da taxa de desemprego e convida PS a comentar números

PSD congratula-se com recuo da taxa de desemprego e convida PS a comentar números

O PSD congratulou-se esta quarta-feira com o recuo para 16,7% da taxa de desemprego no segundo trimestre e convidou o PS a comentar publicamente os números que configuram "um importante avanço na situação social e económica do país".
PSD congratula-se com recuo da taxa de desemprego e convida PS a comentar números
Thomas Peter/Reuters
Lusa 07 de agosto de 2013 às 13:42

"Este número, comparado com os 17,7% do trimestre anterior, representa uma descida significativa, sendo de salientar que é a primeira vez em dois anos que a taxa de desemprego diminui", referem os sociais-democratas em comunicado.

 

Na nota enviada à imprensa, o PSD deixa também um ‘convite’ ao PS, "habitualmente tão rápido nas suas tomadas de posição pela negativa, a comentar publicamente os números agora divulgados que configuram um importante avanço na situação social e económica do país e que confirmam que o esforço colectivo dos portugueses nos últimos dois anos não foi em vão".

 

Segundo dados divulgado esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego em Portugal foi de 16,4% no 2.º trimestre, 1,3 pontos percentuais abaixo do trimestre anterior, mas mais 1,4 pontos percentuais do que no mesmo período de 2012.

 

Segundo os resultados do Inquérito ao Emprego do INE, de Abril a Junho a população desempregada foi de 886 mil pessoas, o que representa um aumento homólogo de 7,1% e uma diminuição trimestral de 7,0% (mais 59,1 mil e menos 66,2 mil pessoas, respectivamente).

 

Já a população empregada foi de 4,5 milhões de pessoas, o que traduz uma diminuição homóloga de 3,9% e um aumento trimestral de 1,6% (menos 182,6 mil e mais 72,4 mil pessoas, respectivamente).

 

No comunicado, o PSD assinala que, embora se preveja o crescimento da taxa média anual do desemprego, os aspectos positivos dos números agora anunciados não podem ser desvalorizados e salienta "o aumento da taxa de emprego e o concomitante aumento do número de portugueses profissionalmente ocupados".

 

Recordando que aos dados agora conhecidos sobre o desemprego somam-se os já anunciados números referentes ao aumento da produção industrial, à confiança dos produtores e consumidores e ao crescimento das exportações, os sociais-democratas concluem que "são boas notícias para Portugal e para os portugueses que, de forma tão empenhada e coesa, nos últimos dois anos, trabalharam para ultrapassar a difícil situação do país".

 

"Confirmam-se, pois, ‘os sinais positivos na economia' de que falou o Primeiro-Ministro no debate da Moção de Confiança e que, como disse, ‘indicam que podemos estar muito próximos da inversão que todos os portugueses desejam'", é ainda referido na nota do PSD.




A sua opinião41
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Carlos Oliveira Há 1 semana

Quando as noticias são boas os comentários não abundam. Eu voto pelo fim dos partidos, para que não andem a reboque deles. Sejam livres.

comentários mais recentes
JackNick Há 1 semana

Em vez de se congatularem com o desemprego (que está mascarado) seria melhor que nos dissessem, no mesmo período, quantos postos de trabalho foram criados !!!!

Anónimo Há 1 semana

Até ás eleições vão surgir por semana 1 boa notícia, com melhoria de 1 indicador por semana, antes foi o crescimento económico de 0,6%, agora diminuição dos desempregados, uns dias antes das eleições desce o preço do gasoleo, fala-se do aumento do salário mínimo e as coisas equilibram-se para o PSD nas eleições. Depois das eleições, apresentação de cortes brutais, Passos Coelho comunica ao país o problema grave que tem em mãos, bla, bla, recessão outra vez até 2015. Em 2015 com novas eleições voltam os bons números... E, assim vamos vivendo em Portugal!

Anónimo Há 1 semana

os desempregados tiveram de emigrar para cumprir os seus compromissos nao sao a corje de falsidade do governo que e eleito para uma coisa e fazem outra esses panelei..... deviam ser fuzil....

pedro viegas Há 1 semana

Onde esta a espiral recessiva? ALguem a viu por ai?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub