Economia Relvas: Emigração de jovens qualificados pode ser algo "extremamente positivo"

Relvas: Emigração de jovens qualificados pode ser algo "extremamente positivo"

O ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, considerou hoje, no Parlamento, que a emigração de jovens portugueses qualificados sem oferta de emprego em Portugal pode ser algo "extremamente positivo".
Lusa 16 de novembro de 2011 às 20:43
"Quem entende que tem condições para encontrar [oportunidades] fora do seu país, num prazo mais ou menos curto, sempre com a perspectiva de poder voltar, mas que pode fortalecer a sua formação, pode conhecer outras realidades culturais, [isso] é extraordinariamente positivo", afirmou. "Também nesta matéria é importante que se tenha uma visão cosmopolita do mundo", acrescentou Miguel Relvas.

O ministro-adjunto dos Assuntos Parlamentares, que falava durante uma reunião sobre o Orçamento do Estado para 2012, respondeu assim à oposição, que criticou o secretário de Estado do Desporto e Juventude, Alexandre Mestre, por este ter sugerido aos jovens desempregados que saíssem da sua "zona de conforto" e procurassem oportunidades "além-fronteiras".

Dirigindo-se especialmente aos comunistas, o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares acusou-os de terem uma "visão pobre" sobre a emigração e qualificou de "normal" aquilo que foi dito pelo secretário de Estado da Juventude, num encontro com jovens em São Paulo, no Brasil.

Segundo Miguel Relvas, actualmente a emigração portuguesa "é uma emigração muito bem preparada", com "jovens altamente bem preparados" colocados em lugares no estrangeiro, e quem afirma o contrário está a olhar para Portugal "a partir do espelho retrovisor do passado".

"Nós temos hoje uma geração extraordinariamente bem preparada, na qual Portugal investiu muito. A nossa economia e a situação em que estamos não permitem a esses activos fantásticos terem em Portugal hoje solução para a sua vida activa. Procurar e desafiar a ambição é sempre extraordinariamente importante", reforçou.




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nonda1 Há 3 dias

E pq não seguir o exemplo de vários Portugueses, e aproveita e emigra também. Vai o Sr. a corja que o acompanha diariamente e toda a sua familia. O estado agradece, pois deixa de dar de mamar a muita gente o Povo agradece pq deixa de ver gente reles a usufruir dos meios de comunicação para dizer apenas afirmações sem sentido para proveito próprio, e basicamente o ar fica mais puro pois deixa de ter que alimentar este sufoco que o TAXO generalisado que é a classe politica em Portugal. Como tal Sr. Relvas e respectiva prole, podem desaparecer da face da terra que não deixam saudades a niguém. Boa viagem de IDA e sem regresso.

sascencao Há 3 dias

Li algures que as escolas privadas com contrato de associação recebem cerca de 4.400€ por aluno por ano – este valor exclui os encargos com a gestão da educação em Portugal, mas é uma boa referência.

Agora, será possível quantificar o encargo que representa um aluno numa escola pública? Considerando não apenas os encargos sociais, mas também os custos com a construção e manutenção das escolas.

Mais, quanto custou aos contribuintes a educação de um jovem qualificado (abrangendo o ensino pré-escolar, básico, secundário e superior)?...

Será 90.000€ uma boa estimativa? Ou é muito mais? Estou curioso!

SwedishChef Há 3 dias

Se eu estivesse a acabar o curso agora já tinha as malas feitas. Nem tentava empregar-me cá. A legislação, a justiça, a cultura empresarial e o fisco não convidam a que se viva cá, nem que se tente montar um negócio. Nunca mais cá punha os pés. Provavelmente evitava a UE também. Tentava obter outra nacionalidade. Para mim emigrar é isso, nem sequer acho moral que se vá para onde nos valorizam e depois se vá trair esse pais voltando para cá, enterrando cá dinheiro. Ao ouvir este senhor apetece perguntar: o Estado financia ensino superior porquê?! Se são os outros que aproveitam o nosso investimento público...

pinokio206 Há 3 dias

Um Pais como Portugal devia se sentir triste e envergonhado, de cada vez mais jovens sairem e pedirem para sair para o estrangeiro, considero uma vergonha e uma mediocridade da Politica existente em Portugal, um Pais com as capacidades que tem, nunca ter passado da sepa torta e estar sempre na mesma, alias daqui a 10 anos estara na mesma, claro que as pessoas continuaram a ir votar felizes e contentes!
Ainda digo mais considero ainda mais mediocre um Pais, que envia uma carta com um pagamento de uma portagem + multa de 2,5€ que se for paga fora do prazo paga-se 25,00€ que por sua vez se não for pago, bem buscar os documentos de carro, mas não se preocupe digo a toda a gente Ferias? Va para outro lado, e depois explico porque!

ver mais comentários